Tamanho do texto

Professora Denise Pires de Carvalho é a primeira mulher a ocupar cargo de reitora na universidade, que vai completar 100 anos em setembro de 2020

Reitora da UFRJ Denise Pires de Carvalho
Divulgação/UFRJ
Denise Pires de Carvalho foi escolhida pelo presidente da República como a futura reitora da UFRJ

A professora Denise Pires de Carvalho, de 54 anos, foi escolhida pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) como a primeira mulher a ocupar o cargo de reitora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O marco é histórico, já que a instituição vai completar 100 anos no dia 7 de setembro de 2020, e nunca teve uma mulher em seu comando.

Leia também: Bolsonaro entra nos mais influentes da Time como "homofóbico ultraconservador"

Denise já era a primeira colocada na eleição interna da instituição em abril, que elaborou uma lista tríplice. Tal lista foi encaminhada ao presidente da República que, nesta segunda (20) confirmou sua nomeação. Em sua declaração sobre o assunto, o presidente chegou a fazer uma brincadeira com o fato da nova reitora da UFRJ ser uma mulher. 

"É a pessoa adequada para estar à frente da UFRJ", disse Bolsonaro. "Agora vão dizer que sou ' homemfóbico '", continuou o presidente. A declaração do presidente foi dada em evento na Federação das Indústrias do Rio (Firjan), onde ele observou que os outros dois indicados na lista trípice eram homens.

Leia também: Aluna grávida e dois técnicos ficam feridos em explosão em laboratório da UFRJ

A futura reitora da universidade  já havia se candidatado uma vez ao cargo, em 2015, quando perdeu para Roberto Leher, reitor que agora vai substituir. Formada em Medicina pela UFRJ em 1987, Denise concluiu mestrado em Ciências Biológicas (Biofísica) em 1989 e doutorado em Ciências em 1994, ambos pelo Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, órgão também da UFRJ.

Além disso, Denise também fez dois pós-doutorados. Um dele foi concluído no Hôpital de Bicêtre, Unité Tiroïde, em Paris, em 1995. O outro foi feito na Universitá Degli Studi di Napoli, em Nápoles, em 2006.

Quanto ao seu posicionamento, a futura reitora da universidade fluminense faz oposição ao grupo que administrou a UFRJ nos últimos anos. Afinal, ela é critica, por exemplo, ao projeto de expansão da universidade, alegando que o número de alunos cresceu sem que houvesse ampliação da estrutura.

Leia também: UFRJ informa que Governo Federal bloqueou R$114 milhões da universidade

Hoje, Denise ocupa o cargo de professora titular do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, do qual já foi diretora, de 2010 a 2013. Ela já publicou mais de 140 trabalhos e proferiu mais de 50 conferências no Brasil e no exterior. Atualmente é revisora de mais de 20 revistas científicas internacionais e é mãe de duas alunas da UFRJ : uma cursa Medicina e a outra formou-se em Ecologia.