Tamanho do texto

Nas redes sociais, internautas reagiram ao erro de Weintraub com risos, piadas ou com compreensão; ministro queria se citar o escritor Franz Kafka

Abraham Weintraub
André Borges/MEC
Na mesma ocasião, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que poderia ter entrado na USP aos 14 anos

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, cometeu uma gafe em encontro com senadores nesta terça-feira (7). Durante sua explanação aos parlamentares, em audiência na Comissão de Educação do Senado, o ministro confundiu o nome do escritor Franz Kafka com a nomenclatura dada ao espeto típico da culinária árabe, a kafta.

Leia também: Ministro da Educação provoca reitores de universidades federais

No episódio em que citava Kafka, Weintraub dizia que foi alvo de um processo administrativo quando lecionou na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Segundo o ministro da Educação , o processo foi "inquisitorial e sigiloso".

"Eu sofri um processo administrativo interno (e eu fui inocentado, ele foi arquivado), mas, durante um ano e oito meses, eu fui investigado, processado e julgado", disse o ministro. "[No processo] está escrito inquisitorial e sigiloso. Que eu saiba, só a Gestapo fazia isso. Ou no livro do Kafta ou a Gestapo ", continua.

Leia também: Olavo de Carvalho deseja sorte a novo ministro da Educação e faz advertência

A declaração foi gravada e o vídeo que mostra o trecho da confusão do ministro vem sendo amplamente compartilhado nas redes sociais. Alguns internautas, inclusive, chegaram a fazer montagens e piadas a respeito da gafe de Weintraub.

"O ministro da Educação acaba de chamar o escritor Franz Kafka de 'Kafta'. Confesso que prefereria acordar sendo uma barata do que ser governado por gente tão inepta", escreveu uma das internautas, fazendo referência à obra do escritor citado.

Outro perfil no Twitter, porém, preferiu defender o ministro e afirmar que "gramática normativa não mostra índole". "Como eu odeio gente que quer desmoralizar pelo uso do português", diz a internauta.

Um terceiro ainda fez uma brincadeira, dizendo que "a kafta é a conge da esfiha". A declaralção faz referência a um erro de pronúncia sobre a palavra cônjuge, cometido pelo ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro.

Leia também: Conheça Abraham Weintraub, economista e novo ministro da Educação de Bolsonaro

Ainda durante a sua exposição, em resposta a questionamento do senador Confúncio Moura (MDB-RO) se ele estaria em condições para conduzir o MEC, o ministro da Educação disse que seu currículo está “bem acima da média dos últimos 15 ministros que passaram por lá. Eu poderia ter entrado na USP aos 14 anos”.