Tamanho do texto

Demissão é a mais recente em série de mudanças nos cargos do alto escalão do Ministério da Educação; ele estava no cargo desde o dia 22 de janeiro

Presidente do Inep tomou posse no dia 22 de janeiro
Reprodução/Youtube
Presidente do Inep tomou posse no dia 22 de janeiro

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Marcus Vinicius Rodrigues , foi exonerado do cargo nesta terça-feira (26). A demissão assinada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, foi oficializada em edição extra do Diário Oficial.

Rodrigues é ex-professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e estava no cargo desde 22 de janeiro. A demissão do presidente do Inep é a mais recente em uma série de mudanças nos cargos do alto escalão do MEC e se soma a outras polêmicas que envolvem a pasta.

Nesta terça-feira, o MEC anulou a portaria , publicada ontem, que previa novas regras quanto à alfabetização do País, alterando o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). A decisão, que consta no Diário Oficial da União de hoje, foi assinada pelo ministro Ricardo Vélez Rodríguez. O episódio representa também um novo recuo do MEC, o segundo só neste ano.

Na segunda-feira (25), a secretária de Educação Básica, Tânia Leme de Almeida, pediu demissão do cargo. Em uma breve nota, o Ministério da Educação confirmou “o pedido de demissão”. A Secretaria de Educação Básica é responsável pela educação infantil, pelo ensino fundamental e pelo ensino médio.

Com mestrado e doutorado em engenharia civil-hidráulica, Tânia de Almeida pesquisa gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, solos contaminados, metais pesados e aterro sanitário. A professora do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, em São Paulo, Tânia de Almeida desenvolve experiências profissionais também no Laboratório de Química Ambiental da Universidade de São Paulo (USP).

As sequências de baixas no ministério é longa. Apenas oito dias depois de ter sido anunciada pelo ministro Ricardo Vélez Rodríguez como secretária-executiva do Ministério da Educação – um cargo que é considerado o número dois dentro do MEC –, Iolene Lima anunciou, nas redes sociais, que foi desligada do ministério .

Vélez Rodríguez havia anunciado o nome de Iolene Lima para o cargo de secretária-executiva da pasta também pelas redes sociais. Dias antes, ele havia confirmado o nome de Rubens Barreto da Silva para a posição, mas voltou atrás, agravando ainda mais a crise no MEC .

Tal crise afeta diretamente o ministro, que vem sendo alvo de pressões para deixar o posto. A questão é que Rodríguez – que foi indicado para o cargo pelo guru do governo Bolsonaro, o escritor Olavo de Carvalho – se envolveu em muitas polêmicas.

Em 25 de fevereiro, quando o ministério enviou uma carta às escolas de todo o País pedindo que as crianças fossem filmadas cantando o Hino Nacional. Quanto a esse assunto, o Ministério Público Federal (MPF) investiga se o ministro cometeu improbidade administrativa.

Até o dia 12, o secretário-executivo, ou seja o número dois, do MEC era Luís Antônio Tozi. Ele foi demitido como último ato de uma "reestruturação" promovida pelo ministro Vélez. Tozi é ex-membro do Centro Paula Souza. O nome do novo presidente do Inep ainda não foi divulgado.