Tamanho do texto

Primeiro dia de provas do Enem trouxe questões de linguagens e ciências humanas, além de redação com tema "manipulação de usuários na internet"

Provas do primeiro dia de Enem apresentaram questões de linguagens e ciências humanas e cobram conhecimentos diversos dos estudantes
shutterstock
Provas do primeiro dia de Enem apresentaram questões de linguagens e ciências humanas e cobram conhecimentos diversos dos estudantes

A prova do primeiro dia do Enem 2018 (Exame Nacional do Ensino Médio) sobre linguagens e ciências humanas exigiu dos estudantes conhecimentos dos filósofos Epicuro, da Grécia Antiga, Santo Agostinho, e até Guy Debord, na modernidade, e apresentou trechos das obras de Henfil, George Orwell, e seu célebre livro "1984", além dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Agenda 2030 da ONU, o "protesto feminista" feito pelas candidatas do Miss Peru 2018 e até o Hino Nacional Brasileiro.

Leia também: Manipulação de usuários na internet é tema da redação do Enem 2018

Área das ciências humanas na prova do primeiro dia de Enem

Reprodução
"A conquista da América", obra do autor e filósofo búlgaro Tzvetan Todorov foi uma das surpresas da prova do primeiro dia de Enem

Na área das ciências humanas, as provas do primeiro dia de Enem trouxeram um trecho da obra "Confissões" do filósofo e teólogo Santo Agostinho, assim como um trecho da obra "O tempo e o vento", do escrito brasileiro Érico Veríssimo, que inspirou uma questão sobre a Primeira República no Brasil.

Uma outra questão sobra a conqusita da América espanholas e a derrota dos Astecas foi elaborada a partir de trechos da obra do filósofo búlgaro Tzvetan Todorov chamada "A conquista da América - a questão do outro". O filósofo fenomenólogo francês Maurice Merleau-Ponty também foi outro citado em enunciados da prova através de sua obra "Elogio da filosofia".

Enquanto isso, as questões de geografia do Enem exigiram conhecimentos tanto globais quanto locais dos candidatos que prestaram o Exame Nacional do Ensino Médio. Numa das questões, os estudantes foram convidados a explicar o motivo pelo qual os ciclones tropicais acontecem com maior frequência no Hemisfério Norte (levando em consideração acontecimentos recentes como o Furacão Michael ), em outra eles tiveram que demonstrar conhecimentos sobre a crise hídrica que afetou estados como São Paulo em 2014.

Ainda na área das ciências humanas , a saúde do trabalhador e o tempo perdido no deslocamento em grandes cidades foi apresentada em uma questão que falava sobre o impacto disso na qualidade de vida das pessoas de várias classes sociais. Segundo o texto, o trabalhador que passa mais tempo se deslocando tem maior tendência ao sedentarismo por "desperdiçar" mais tempo do seu dia.

Leia também: "Atrasados do Enem" bomba na internet, mas decepciona usuários

Área das linguagens da prova do primeiro dia do enem

Obra prima de George Orwell,
Reprodução
Obra prima de George Orwell, "1984", foi cobrado em um dos enunciados da prova do primeiro dia de Enem

Já na área das linguagens , a prova aplicada neste domingo (4) teve questões sobre o feminismo, violência contra a mulher, declaração dos direitos humanos e racismo.

Em uma primeira questão, a manifestação de 23 candidatas do Miss Peru 2017 que, em vez de usarem cartazes para destacar suas qualidades física, mostraram casos de abuso sexual e feminicídio foi usada como contexto para pedir aos alunos para identificarem o que ele julgava ser violência contra a mulher no enunciado apresentado.

Numa outra questão, o tópico voltou a ser abordado quando um cartaz de uma campanha de 2017, feita em Porto Alegre (RS), para divulgar o número de denúncia de violência contra a mulher foi utilizado para cobrar qual o modo interativo que indica o comportamento dos usuários a partir desta campanha.

O racismo, por sua vez, foi abordado em uma questão que trazia um texto que falava sobre estética da beleza de homens e mulheres negros e pedia para que os candidatos identificassem onde estava o racismo.

Unindo os dois tópicos, a ativista americana Rosa Parks foi citada. Ela entrou para a história ao desafiar uma das leis de segregação racial entre brancos e negros nos Estados Unidos que criava bancos para brancos (na parte da frente dos ônibus) e bancos para negros (na parte traseira). Duas fotos, uma dela e outra do ônibus que hoje está exposto em um museu aos cudiados da fundação The Henry Ford, foram utilizadas no enunciado da questão.

Numa outra questão, os 70 anos da declaração universal dos direitos humanos foi abordado em uma entrevista que citava os obejtivos da agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU). Nessa questão, o estudante precisava demonstrar domínio sobre interpretação de texto para apontar quais eram estes objetivos dentre as cinco alternativas apresentadas.

Ainda na área das linguagens, o Hino Nacional Brasileiro também foi citado para cobrar dos alunos qual a norma padrão usada em um trecho da letra. 

Leia também: Mais de 5,5 milhões de brasileiros farão a prova do Enem, que começa hoje

A área de linguagens também trouxe um trecho da carta escrita pelo cartunista Henfil em 1969 para o então presidente do Brasil durante a ditadura militar, o general Ernesto Geisel, e um desenho retirado de uma cartilha infantil ilustando Getúlio Vargas conversando com duas crianças sobre a importância de aprender em casa e na escola a amar a pátria, da época do Estado Novo no Brasil.

Redação no primeiro dia de prova do Enem

Redação do Enem apresentou trechos de reportagens do El País, Carta Capital, BBC e um gráfico produzido a partir de dados do IBGE como textos motivadores
shutterstock
Redação do Enem apresentou trechos de reportagens do El País, Carta Capital, BBC e um gráfico produzido a partir de dados do IBGE como textos motivadores

Conforme foi divulgado mais cedo pelo próprio Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o  tema da redação do Enem 2018 foi "Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet", mas o enunciado da proposta contou com quatro textos motivadores, sendo que três deles são trechos de reportagens publicadas em 2016.

A primeira reportagem chamada "O gosto na era do algoritmo" do jornalista Daniel Verdú, do El País, apresenta dados sobre os algoritmos utilizados na internet e não difere muito da segunda "A silenciosa ditadura do algoritmo", de autoria do jornalista Pepe Escobar, da Carta Capital.

Leia também: Polícia Federal poderá investigar boato sobre cancelamento do Enem

Já a terceira reportagem citada no enunciado da redação presente na prova do primeiro dia de Enem , da BBC Future, de autoria de Tom Chatfield, chama-se "Como a internet influencia secretamente nossas escolhas", e foi suceddia de um gráfico com dados produzidos pelo próprio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com o perfil dos usuários brasileiro na internet no Brasil em 2016, com direito ao recorte de sexo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.