Coronel Jairo não quis comentar situação do filho, Dr. Jairinho
Reprodução
Coronel Jairo não quis comentar situação do filho, Dr. Jairinho

A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro foi palco esta semana de um dos acontecimentos mais marcantes da sua história recente. A experiente vereadora Teresa Bergher (Cidadania) resumiu o estado de espírito de todos. "Esta casa nunca viveu nada semelhante", disse ela. Bergher se referia à decisão do Conselho de Ética -  pelo qual só existe fruto do seu primeiro projeto de lei como vereadora - em aprovar por unanimidade o relatório que pediu a cassação do vereador Doutor Jairinho, por quebra de decoro parlamentar.

Foi a pavimentação para a cassação do denunciado em abril deste ano por homicídio triplamente qualificado contra o enteado, o menino Henry Borel, de 4 anos. Jairinho apostou que os colegas salvariam sua pele, sob o entendimento de que ele é vítima da mídia. Jairinho também confiou na força do pai, hoje deputado estadual.

O problema é que o Coronel Jairo já não tem a força do passado, desde que foi preso no ano de 2018, durante a Operação Furna da Onça, desdobramento da Lava-Jato no Rio, comandada pela Polícia Federal. Ele foi solto no ano seguinte por conta de um habeas corpus. Mas sua influência é decrescente no cenário político fluminense.

SILÊNCIO

Procurada pela coluna para comentar o calvário do filho na prisão, a assessoria do Coronel Jairo foi comedida: "O deputado não quer comentar nada neste momento". Os colegas cochicham nos corredores da Alerj que a dor do parlamentar é grande e que ele anda cabisbaixo. "Muito borocoxô", disse um amigo. O agora deputado estadual também foi citado durante as audiências da CPI das Milícias, em 2008. Porém, por falta de provas, não chegou a ser indiciado.

Você viu?

Combate às fake news nas farmácias

Câmara Municipal do Rio deve votar nos próximos dias projeto de lei que obriga farmácias e drogarias a afixar, em local visível, cartaz informando que medicamentos como hidroxicloroquina, cloroquina, ivermectina, nitazoxanida, azitromicina, colchicina e predinisona são ineficazes para tratamento precoce de Covid-19. Projeto de autoria do vereador Dr. Marcos Paulo (PSOL) prevê multa de R$ 5 mil para estabelecimentos que não cumprirem a lei e cassação da licença de funcionamento em caso de reincidência.

Proteção ambiental e sustentabilidade

Vereador Marcio Ribeiro (Avante) deu entrada em projeto de lei que solicita a criação de uma unidade de conservação (UC) no Morro do Rangel, no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio. O local apresenta grande diversidade de espécies de flora endêmicas e ameaçadas de extinção, cavernas e vestígios arqueológicos, mas mesmo com a sua importância cultural, turística e ecológica, o Morro do Rangel está sendo ameaçado pelo seu uso desordenado.


Parceria pela arte

Instituto Federal do Rio de Janeiro- IFRJ e Museu de Arte de São Paulo - MASP iniciam parceria para análise de obras de arte do acervo do Museu. Professores Renato Freitas e Valter Félix do Instituto são coordenadores do laboratório móvel, que realiza análises in situ e não destrutiva, em obras de arte de museus brasileiros.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários