undefined
David Aguilar, CfA/Harvard
Representação artística de uma supernova próxima a um exoplaneta.

Um meteoro explodiu sobre o Oceano Pacífico com a potência de 10 bombas de Hiroshima. Isso aconteceu em dezembro, mas é possível que você nem soubesse do acontecimento. Na verdade, explosões no universo acontecem com grande frequência, mas detectá-las pode ser mais difícil do que você possa imaginar.

Não são apenas meteoros, mas também supernovas, explosões de raios-gama, rajadas de rádio. Se você acha que 10 bombas atômicas parecem muito, saiba que a energia de uma supernova é igual a 1.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 de bombas atômicas!!

O Universo parece ter um show perene de fogos de artifício, mas para poder apreciá-lo é importante saber onde procurar.


Leia também sobre o nascimento de estrelas no Universo


Como os astrônomos buscam explosões no universo

Imagine-se durante um ano novo, na praia, assistindo os fogos do Réveillon. Você quer apreciar o espetáculo, mas está tentando observar tudo com um binóculo. Você não poderá ver quase nada, já que os fogos estão fora do seu campo de visão.

Na Astronomia, é a mesma coisa. Os telescópios são capazes de observar galáxias a dezenas de bilhões de anos-luz de distância, mas de modo geral enxergam um pedaço extremamente pequeno do céu.

Para resolver o problema, é necessária uma combinação de tecnologia e esperteza. Do ponto de vista da instrumentação, alguns novos telescópios são capazes de ver uma área no céu equivalente ao tamanho da Lua cheia, ou até mais.

Além disso, não basta olhar sempre pro mesmo ponto. Dessa forma, os telescópios varrem o céu em busca de eventos, observando tudo ao seu redor.


Leia também sobre a emissão de energia de buracos negros


LSST: um caçador de explosões

Um excelente exemplo será o LSST (Grande Telescópio Sinóptico para Levantamentos, em tradução livre), a ser inaugurado no Chile no ano que vem. Com um enorme espelho de 8 metros de diâmetro, o observatório se dedicará sobretudo a buscar por eventos transientes.

Ao tirar várias fotos do mesmo lugar no céu em sequência, os astrônomos do LSST serão capazes de notar pequenas mudanças. Por exemplo, se algo se moveu, como um asteroide, ou se explodiu de forma brilhante, como no caso de uma supernova. Assim, o telescópio será capaz de detectar mais de 5 milhões de asteroides, e algo entre 3 e 4 milhões de supernovas!

Vale lembrar que o Brasil é parceiro do projeto do LSST, o que representa uma excelente oportunidade para os atuais e futuros astrônomos brasileiros. Acha legal descobrir uma supernova? Que tal 1 milhão de supernovas?


Leia mais sobre o asteroide visitante Oumuamua


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários