Tamanho do texto

Casal de antas nascido em zoológico será transportado para uma reserva ambiental da Mata Atlântica; esse animal é considerado extinto no estado

Casal de antas
Agência Brasil
Casal de antas Marcelino e Bianta ajudará a repovoar uma reserva no Rio; espécie e considerada extinta no estado

Um casal de antas, conhecidas cientificamente como Tapirus terrestris , nascido no zoológico de Sorocaba (SP), será reintroduzido na natureza, na Reserva Ecológica de Guapiaçu (Regua), no estado do Rio de Janeiro, uma reserva ambiental da Mata Atlântica.

Leia também: Relatório aponta que 95% da população de lêmures estão "à beira da extinção"

Os dois animais, de nomes Marcelino e Bianta, têm cerca de três anos e viviam até esta semana – quando começaram a ser transportados para a reserva – no recinto de antas dentro do zoológico junto com outros exemplares da espécie. Antes de serem transportadas, as antas foram submetidas a diversos exames para verificar se estavam aptas à reintrodução na mata nativa.

O processo é denominado refaunação, uma ação de conservação cujo objetivo é restaurar e proteger os processos naturais de ecossistemas prejudicados pela extinção local de espécies , por meio da reintrodução desses animais extintos nesses ambientes .

Segundo o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) do Rio de Janeiro , a anta é considerada extinta no estado. O último registro confiável de uma população de antas foi no Parque Nacional Serra dos Órgãos, em 1914.

Leia também: Terra pode estar perto de nova "extinção em massa"; relembre outras cinco

O animal é encontrado na América do Sul e está na lista de espécies vulneráveis à extinção, segundo a União Internacional para Conservação da Natureza, e consta na Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (Icmbio).

“O Zoo está cumprindo com a sua missão, contribuindo com o revigoramento do material genético das espécies e no processo de reintrodução das antas”, disse a bióloga do Zoológico de Sorocaba, Cecília Pessutti.

“A equipe do Zoológico de Sorocaba trabalhou com afinco neste projeto para que todo o processo ocorresse naturalmente, preservando a saúde dos animais. Foram cerca de 18 profissionais, entre tratadores, biólogos e veterinários que participaram do procedimento, desde a separação da alimentação até a indução dos animais nas caixas”, acrescentou.

Leia também: Um milhão de espécies correm risco de extinção, alerta ONU

De acordo com o Inea, as antas têm papel fundamental na natureza. São os maiores mamíferos terrestres do Brasil e têm grande importância na dispersão de sementes. Além disso, por ser um herbívoro generalista, acaba exercendo a função de evitar a predominância de um determinado tipo de vegetação ao podar as mudas das espécies mais abundantes.