Tamanho do texto

Diversas espécies de animais e plantas podem sumir nos próximos anos da Terra; segundo relatório, total equivaleria a 1/8 dos seres vivos no planeta

Sapo em extinção
Reprodução/ONU
Diversas espécies correm risco de extinção e podem desaparecer do planeta nos próximos anos

Um milhão de espécies animais e vegetais correm o risco de entrar em extinção em breve e desaparecer da face da Terra, o que equivale a 1/8 de todas as espécies que povoam o planeta. Esse é o alarme lançado nesta segunda-feira (6) pela Organização das Nações Unidas (ONU), que apresentou um relatório feito por 145 cientistas de 50 países.

O estudo, considerado o mais complexo sobre perdas ao meio ambiente e possível  extinção de espécies, chama-se Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços de Ecossistema (IPBES).

Leia também: Terra pode estar perto de nova "extinção em massa"; relembre outras cinco

De acordo com a pesquisa, que levou três anos para ser concluída e possui 1,8 mil páginas, um milhão de espécies correm o risco de extinção atualmente.

Cinco grandes mudanças na natureza são as causas principais desse problema: a perda de habitat natural, a exploração de fontes naturais, as mudanças climáticas, a poluição e as espécies invasoras.

"Esta perda é um resultado direto da atividade humana e constitui uma ameaça direta ao bem-estar humano em todas as regiões do mundo ", disse um dos cientistas participantes do estudo.

Segundo os especialistas, a perda de biodiversidade não é apenas uma questão ambiental, mas também uma questão de desenvolvimento, econômica, de segurança, social e moral.

O estudo alertou ainda que a atual situação impedirá em 80% o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, relacionados à fome, saúde, água, clima, pobreza, terra e oceanos.

Leia também: Austrália trava guerra contra gatos e pretende matar 2 milhões até o ano que vem

"Estamos acabando com as bases das nossas economias, nossos meios de subsistência, a segurança alimentar, a saúde e a qualidade de vida em todo o mundo", alertou Robert Watson, presidente do IPBES.