Tamanho do texto

Encontrados apenas na ilha de Madagascar, na África, os lêmures são atualmente os primatas mais ameaçados de extinção do nosso planeta

Os lêmures encontram-se em um estado crítico quanto ao número de representantes de suas espécies na África
Duke Lemur Center
Os lêmures encontram-se em um estado crítico quanto ao número de representantes de suas espécies na África

Cerca de 95% da população mundial de lêmures está à beira da extinção, conforme a União Internacional pela Conservação da Natureza (IUCN) anunciou na quarta-feira (1º). De acordo com o portal de notícias científicas  Phys , as novas estatísticas mostram que tais animais são os primatas mais ameaçados do planeta.

Leia também: Vida selvagem está preservada somente em 13% dos mares do mundo, revela estudo

Na primeira atualização sobre a população de lêmures desde 2012, o relatório apresentado mostra que de 111 espécies e subespécies, 105 estão ameaçadas. “Esta é, sem dúvidas, a maior porcentagem de ameaça para um grande grupo de mamíferos e para qualquer grupo de vertebrados”, aponta Russ Mittermeier, da comissão de sobrevivência de espécies da IUCN.  

Tais primatas, que são conhecidos por suas longas caudas e focinhos proeminentes, são encontrados apenas na ilha de Madagascar, onde o desmatamento das florestas, extração de madeira, mineração e agricultura ilegal contribuíram para aumentar o risco de extinção dos animais. A espécie mais ameaçada é a do lêmure esportivo do norte, que conta com uma população de apenas 50 indivíduos.

Leia também: Primeiro lêmure brasileiro nascido em cativeiro é atração de zoológico

Atenção para a caça indiscriminada de lêmures em Madagascar

A caça dos lêmures também tem contribuído para um cenário de grande risco de extinção desses primatas
Duke Lemur Center
A caça dos lêmures também tem contribuído para um cenário de grande risco de extinção desses primatas


A União Internacional pela Conservação da Natureza também apontou os crescentes números de primatas caçados como uma das maiores preocupações dos especialistas, já que os animais começaram a ser capturados para comercialização em larga escala.

“A caça é algo diferente de tudo o que já foi visto antes na ilha”, declarou  Christoph Schwitzer, que atua como o diretor de conservação da Sociedade Zoológica de Bristol.

“Um lêmure é para a ilha de  Madagascar o que um panda gigante é para a China, eles são a 'galinha dos ovos de ouro', atraindo turistas e amantes da natureza”, explicou Jonah Ratsimbazafy, do grupo de pesquisa sobre primatas GERP, sobre o destaque da natureza do país africano, conhecido por ter uma das maiores biodiversidades do mundo.

Leia também: Nove dos 13 baobás mais antigos do mundo morrem e geram alerta sobre aquecimento

A IUCN ainda anunciou que está prestes a lançar um plano de ação para preservar a população dos lêmures .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.