undefined
Reprodução/Youtube
Imagem do bombardeio da cidade de Hiroshima, no Japão, que se tornou um símbolo da Segunda Guerra Mundial

Um estudo da Universidade de Reading, na Inglaterra, revelou impactos deixados pelas bombas lançadas durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) na atmosfera terrestre. De acordo com o Independent , os bombardeios foram tão intensos que enfraqueceram a chamada ionosfera, que a mais de mil quilômetros de altura é a camada mais externa da Terra.

Leia também: Bomba da Segunda Guerra é encontrada em Berlim e 10 mil pessoas abandonam local

Para além dos efeitos nos continentes, o impacto da Segunda Guerra Mundial  na atmosfera do nosso planeta nunca havia sido estudado, como explicou o professor de física atmosférica e do espaço Chris Scott.

“É surpreendente ver como as ondulações causadas pelas explosões podem afetar o limite do espaço. Cada ataque liberou a energia de ao menos 300 quedas de raios. O poder envolvido nos permitiu quantificar como os eventos na superfície podem afetar a ionosfera”, disse à imprensa.

O estudo teve como base dados atuais do Centro de Pesquisa de Rádio em Slough, no Reino Unido. Eles enviaram pulsos de rádio para o céu, o que possibilitou a mensuração da altura e concentração de ionização (ou seja, quando um átomo perde ou ganha elétrons), nas partes mais altas da atmosfera.

Os resultados mostraram que a concentração de elétrons mudou justamente no período de um grande bombardeio na Segunda Guerra. Agora, os cientistas acreditam que as ondas de choque provenientes das explosões devem ter aquecido a parte mais alta desta camada e causado a diminuição do fenômeno.

As novas descobertas coincidem com alguns relatos muito comuns durante o período do conflito. "Os pilotos que participavam dos bombardeios frequentemente relatavam avarias aos aviões mesmo quando estavam acima da altitude recomendada, enquanto os militares que estavam no chão, sob as bombas , afirmam que chegaram a ser arremessados pelas ondas de choque ", contou Patrick Major, coautor do estudo.

"Circulavam também boatos que aconselhavam a quem estivesse nos refúgios próximos às áreas de combate que enrolassem uma toalha em volta do rosto, para evitar que as ondas de choque colapsassem os pulmões, deixando o resto do corpo intacto".

 Leia também: Mais de 50 mil vão a cerimônia em memória das vítimas da bomba em Hiroshima

Uso prático da pesquisa sobre as bombas da Segunda Guerra Mundial

undefined
Creative Commons
A pesquisa sobre o impacto das bombas da Segunda Guerra Mundial na atmosfera do nosso planeta pode ajudar cientistas

A pesquisa dos britânicos não possui apenas relevância histórica, mas também pode ajudar em estudos atuais sobre a nossa atmosfera. Os resultados têm potencial para explicar como eventos naturais – como terremotos, erupções e raios, por exemplo – conseguem modificar as partes mais distantes do ambiente, como a ionosfera , que é essencial para os sistemas de GPS, radares de alerta e comunicações de rádio.

Leia também: Arquivos recentemente abertos relatam teste nuclear realizado por Hitler em 1944

“O poder sem precedentes desses ataques [da Segunda Guerra Mundial ] se provou útil para que os cientistas meçam o impacto que esses eventos podem ter milhares de quilômetros acima da Terra, além da devastação que eles causaram na terra”, concluiu Patrick Major, historiador da Universidade de Reading.

*Com informações da Agência Ansa

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários