Tamanho do texto

No parque da Paz, no Japão, mais de 50 mil pessoas se reuniram neste domingo, em homenagem às vítimas da bomba lançada na Segunda Guerra

Além dos moradores, representantes de 80 países também participaram da cerimônia em Hiroshima
Reprodução/Diário de Notícias.pt
Além dos moradores, representantes de 80 países também participaram da cerimônia em Hiroshima

Mais de 50 mil pessoas se reuniram, neste domingo (6), no parque da Paz em Hiroshima, no Japão, para relembrar os 72 anos do lançamento da bomba atômica sobre a cidade durante a Segunda Guerra Mundial.

Leia também: Memória do bombardeio a Hiroshima "nunca deve se apagar", diz Obama

A cerimônia de homenagem às vítimas da bomba atômica contou com a participação de moradores de Hiroshima e com representantes de 80 países. 

Às 8h15 (no horário local), após o toque de um sino, foi feito um minuto de silencio. O horário foi o mesmo em que a bomba caiu sobre a cidade.

Discursos e pronunciamentos

Durante seu discurso, o prefeito da cidade japonesa, Kazumi Matsui, lembrou a assinatura de um documento entre 122 países na Organização das Nações Unidas (ONU) que proíbe o uso de armamentos nucleares.

Leia também: Fotos raras mostram feridos momentos depois de bomba atômica atingir Hiroshima

No entanto, o texto do dia 7 de julho não foi assinado pelas principais potências mundiais e pelas nações que possuem bombas atômicas em seus arsenais.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, evitou mencionar diretamente o tratado durante a sua intervenção, ainda que tenha destacado a necessidade de que tanto as potências nucleares como os demais países "se envolvam para se conseguir um mundo verdadeiramente livre de armas atômicas".

"O Japão está decidido a liderar a comunidade internacional, mantendo os seus princípios de não produzir ou possuir armas nucleares nem de permitir a sua entrada em território nacional, e pedindo a todos os países para tomar medidas similares", disse Abe no seu discurso.

A subsecretária geral das Nações Unidas e alta representante para o desarmamento, a japonesa Izumi Nakamitsu, afirmou que os sobreviventes do bombardeio atômico "enviam uma mensagem heroica ao mundo e uma lembrança dos devastadores efeitos destas armas", em uma mensagem lida em nome do secretário geral da ONU, Antonio Guterres.

Leia também: Reconstrução transformou Hiroshima em 'cidade da paz'

No final de 1945, o número de mortos por conta das bombas era de aproximadamente 140 mil pessoas em Hiroshima e 74 mil em Nagasaki, embora o número de mortos nos anos seguintes pelas sequelas das radiações tenha sido muito maior.

* Com informações da Agência Ansa.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.