Os potentes pulsos foram acidentalmente descobertos ainda em 2007, mas nunca tiveram sua fonte confirmada
Pixabay
Os potentes pulsos foram acidentalmente descobertos ainda em 2007, mas nunca tiveram sua fonte confirmada

Um estudo publicado nesta quinta-feira (18) na revista Nature Astronomy por cientistas do Instituto Físico-Técnico Ioffe revelou detalhes sobre a origem de um mistério surgido ainda em 2007, quando sinais de fortes explosões de ondas de rádio foram descobertos por acaso em uma distante galáxia.

Segundo os resultados obtidos pelos pesquisadores, a emissão dos sinais das rajadas rápidas de rádio estaria associada às fortes labaredas de magnetares extragalácticos, que são  estrelas de nêutrons com campos magnéticos extremamente fortes e capazes de gerar tais reações.

Identificados há quase 15 anos por cientistas do Observatório Parkes, que fica localizado na Austrália, esses pulsos têm apenas milissegundos de duração e são capazes de percorrer milhões de quilômetros no espaço . Desde a descoberta, muitos astrônomos tentaram entender qual era a real origem deste fenômeno, com algumas teorias envolvendo fusões de estrelas e buracos negros sendo descartadas, até que hipótese dos magnetares aparecesse.

De acordo com o site Sputnik, os responsáveis pela ideia foram dois professores da Universidade Estatal de Moscou, Sergei Popov e Konstantin Postnov. Em abril de 2020, um radiotelescópio canadense conseguiu detectar uma dessas explosões, em um evento que também foi acompanhado pela NASA e por outros satélites, confirmando assim a tese de 2007.

Agora, com a confirmação do envolvimento de magnetares extragalácticos, a expectativa dos pesquisadores é avançar mais no estudo sobre as rajadas rápidas de rádio e compreender, com mais detalhes, qual é o mecanismo que possibilita seu surgimento.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários