Olhar Digital

Saiba como serão os 100 primeiros dias do Perseverance em Marte
Rafael Rigues
Saiba como serão os 100 primeiros dias do Perseverance em Marte









Se tudo correr como programado, a Nasa pousará o rover Perseverance na cratera Jezero, em Marte, às 17h55 (horário de Brasília) desta quinta-feira (18), evento que será transmitido ao vivo pelo Olhar Digital a partir das 16h15. Mas o pouso é apenas a primeira parte de um longo cronograma de exploração.

Uma vez na superfície de Marte, o rover terá uma longa lista de tarefas a cumprir, de testes iniciais de todos os seus sistemas às primeiras missões científicas. A seguir, saiba um pouco mais sobre a agenda para os 100 primeiros dias do Perseverance em Marte.

1º ao 10º dia do Perseverance em Marte

Assim que pousar, o Perseverance irá disparar dispositivos pirotécnicos para ejetar as tampas que protegem as lentes de suas 23 câmeras e fotografar o local onde pousou usando suas câmeras frontal e traseira. As imagens serão enviadas para a Terra através dos satélites Mars Odyssey, que orbita o planeta desde 2001, e Trace Gas Orbiter (TGO), que chegou em 2016.

Segundo Jennifer Trosper, vice-gerente de projeto para a missão no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa na Califórnia, depois disso o rover irá “tirar uma soneca” até o dia seguinte para recarregar suas baterias.

Você viu?

Ao longo dos dias seguintes, a equipe na Terra irá “determinar as funções base do veículo, como energia, aquecimento e comunicações. Se qualquer uma destas funções não estiver funcionando, o veículo pode ser colocado em risco muito rapidamente”, afirma Trosper.

O Perseverance também irá observar a posição do Sol no céu para determinar onde está a Terra e estabelecer comunicação direta, e depois fazer a checagem de outros instrumentos e sistemas. Tudo isso enquanto envia para nós mais fotos de seus arredores.

Todo este processo deve levar cinco dias. Nos cinco dias seguintes o rover fará a transição do software usado no pouso para o que será usado para operar na superfície de Marte. Ele também irá testar o braço robótico que será usado para coletar amostras e dar seus primeiros “passos” para testar suas seis rodas.

10º ao 60º dia

Dentro do Perseverance está o Ingenuity , um pequeno helicóptero com quatro rotores que tentará realizar o primeiro voo nos céus de outro planeta, numa demonstração tecnológica que poderá abrir o caminho para o uso de drones para reconhecimento de terreno em futuras missões humanas.

O voo do Ingenuity exigirá que a equipe encontre um local plano para a decolagem, a até 1 quilômetro do local onde o rover pousou. Com o local determinado, o Perseverance irá até lá e descarregará o Ingenuity, que está armazenado em sua “barriga”. O helicóptero será cuidadosamente baixado ao solo e receberá uma última carga de energia antes de ser desconectado do rover.

Ilustração mostra o drone Ingenuity voando sobre a paisagem Marciana.
Ilustração de como será um voo do Ingenuity em Marte. Imagem: Nasa/JPL-Caltech

Segundo Joshua Ravich, diretor de engenharia mecânica do drone no JPL, embora o processo de “desembarque” leve apenas alguns minutos, a equipe responsável irá proceder com “extrema cautela”, tirando múltiplas fotos de cada passo, o que fará com que toda a operação dure “cerca de uma semana”.

A partir daí a equipe responsável pelo Ingenuity terá 30 dias para realizar até cinco voos, cada um durando 90 segundos. Os primeiros serão curtos e em baixa altitude, mas ele gradualmente irá voar mais longe e mais alto. Ravich afirma que “o quinto voo pode ser algo tão complexo quanto decolar, voar uma certa distância, escolher de forma autônoma um local de pouso e pousar lá”.

Será possível realizar apenas um voo por dia, e o helicóptero usará painéis solares para recarregar suas baterias entre os voos. O Perseverance estará observando tudo, fazendo fotos e talvez vídeos de cada tentativa.

60º ao 100º dia

Há uma flexibilidade no cronograma para todas estas atividades, e elas podem terminar no 60º dia ou durar até o 100º, no máximo. A partir daí a primeira fase da missão do Perseverance se encerra e seu controle será passado para a equipe científica, que já terá escolhido um local para iniciar a exploração.

“Dependendo de onde pousarmos, teremos um menu de locais para escolher”, diz Katie Stack Morgan, vice-cientista do projeto Perseverance. “O que eu espero estar fazendo será planejar uma investigação científica do fundo da cratera antes de nossa investigação do delta do rio, porque a cratera pode ter rocha vulcânica, que é ótima para obter datas absolutas”, algo que serviria como uma base para a datação de futuras amostras coletadas pelo rover.

Ilustração mostra como seria a cratera Jezero há bilhões de anos. Local era um lago, onde desembocava um rio
A Nasa acredita que há bilhões de anos a cratera Jezero era um lago onde desembocava um rio, como mostrado na ilustração acima. Imagem: Nasa/JPL-Caltech

Nos dias seguintes o Perseverance irá coletar as primeiras amostras do solo marciano, armazenando-as em tubos metálicos do tamanho de um charuto que poderão ser coletados por missões futuras e trazidos à Terra. Instrumentos como o Moxie, que irá gerar oxigênio a partir do dióxido de carbono na atmosfera, Meda, que irá analisar a dinâmica climática, e Rimfax, que irá procurar água congelada no subsolo, estarão prontos para entrar em operação.

A partir daí, começa a missão mais importante: a busca por evidências de que Marte, no passado , já abrigou formas de vida. O que será que o Perseverance irá encontrar?

Fonte: Scientic American

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários