Carnaval no Rio: comitê diz que não há restrição no cenário atual
Reprodução/Facebook
Carnaval no Rio: comitê diz que não há restrição no cenário atual

Em menos de uma semana após o prefeito do Rio, Eduardo Paes, anunciar em sua rede social que não há garantia de que blocos de rua poderão desfilar no carnaval de 2022, o Comitê Científico de Enfrentamento à Covid-19 (CEEC) recomendou que, nesse momento, a prefeitura do Rio não deve estabelecer nenhuma restrição à folia do próximo ano. Anteriormente, o prefeito só garantiu os desfiles da Marquês de Sapucaí, no Centro. A recomendação foi anunciada durante uma reunião ordinária do comitê, nesta segunda-feira (20).

A decisão, no entanto, não desobrigará o cumprimento de normas sanitárias. Se o carnaval fosse hoje, a apresentação do passaporte de vacinação seria obrigatório para desfilantes e público entrar na Marquês de Sapucaí. No carnaval, valerão as medidas sanitárias do momento. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que estuda também um protocolo sanitário para os blocos em áreas públicas, que ainda seerá divulgado.

"O CEEC fundamentado no cenário epidemiológico favorável, (número de casos, número de casos internados, % de positividade de testes) com 80% de cobertura vacinal atual, na análise dos dados de todos os eventos com aglomeração no país e no Rio de Janeiro, e sustentado pelas evidências científicas disponíveis, recomenda a SMS que não estabeleça, nesse momento, nenhuma restrição à realização do Carnaval Carioca. Recomenda adicionalmente que todo o processo de monitoramento do cenário epidemiológico seja mantido em vigilância", diz o documento da reunião.

O CEEC foi criado na pandemia para que membros da comunidade científica possam tomar as decisões relativas ao coronavírus na cidade. O comitê também recomendou que seja mantido "o processo de monitoramento do cenário epidemiológico" para o avanço da discussão sobre a festa. O grupo de especialistas ainda recomendou "fortemente" que a prefeitura avalie a possibilidade de encomendar diretamente com o fornecedor as vacinas contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos.

Impasses da festa

No dia 15 deste mês, o prefeito utilizou o Twitter para falar sobre o carnaval. Em uma publicação, ele citou que "o carnaval da Sapucaí é algo garantido", desde que o não haja "uma mudança completa em todas as regras hoje existentes e no quadro da epidemia". Paes escreveu uma série de postagens, no qual inicia falando ser "muito cedo" para uma "decisão em definitivo" sobre o carnaval 2022.

Leia Também

Ainda de acordo com o prefeito, as autorizações para a folia do próximo ano devem levar em consideração a possibilidade das regras sanitárias contra a Covid-19 serem mantidas. Com isso, segundo diz, a decisão sobre os blocos de rua precisa passar por uma análise mais detalhada.

Paes enumera três tipos de eventos. O primeiro sendo os bailes em ambientes fechados, onde diz ser possível ter a cobrança do passaporte de vacinação e/ou testes para o público, exigências comuns em outros momentos da pandemia de coronavírus que apresentou resultado, mas acompanhado de uma parcela de descumprimento.

Já sobre o carnaval de rua, com blocos que arrastam multidões, o prefeito disse que se trata de um ambiente onde não é possível haver a cobrança de exigências, como o passaporte da vacina. A folia popular então "requer uma análise ainda mais detalhada", afirmou na publicação.

Martelo será batido no dia 15

No mesmo dia em que Paes publicou sobre o carnaval em seu Twitter, o governador do Rio, Claudio Castro, afirmou que a decisão final sobre a realização do Carnaval de 2022 será tomada até o dia 15 de janeiro do ano que vem — para esta data, está programado o início do cronograma de ensaios técnicos das escolas de samba na Marquês de Sapucaí. Até lá, de acordo com Castro, o governo monitora os índices de contaminação da variante Ômicron da Covid-19 e da influenza.

"Ainda é muito cedo para falar. Combinei uma reunião com o prefeito Eduardo Paes em janeiro. Até lá, vamos ver como fica a situação da Ômicron e da influenza", disse o governador sobre o tema.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários