Bolsonaro define mesa diretora da CPI da Covid como
Reprodução/Youtube
Bolsonaro define mesa diretora da CPI da Covid como "três patetas"

Jair Bolsonaro (sem partido), presidente da República, falou com seus apoiadores na saída do Palácio do Alvorada durante a manhã desta segunda-feira (12) e confundiu dois casos distintos de suposta corrupção envolvendo o governo federal. Ao final, criticou a  mesa diretora da CPI da Covid - formada pelos senadores Omar Aziz (PSD-AM), como presidente; Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice; e Renan Calheiros (MDB-AL) relator dos trabalhos - chamando-os de "três patetas".

"Para comprar 400 milhões de doses, a U$ 1 de propina , seriam U$ 400 milhões. Vezes 1.000% [referente o superfaturamento] e vezes R$ 5 [do câmbio], daria R$ 250 bilhões. Para um cabo da PM do DF. Só quem acredita nisso são os três patetas da comissão. Renan, Omar e o 'saltitante' [referência a Randolfe]", disse Bolsonaro.

A crítica do presidente, porém, baseia-se em dois casos distintos e que não possuem relação.

Isso porque o suposto 'superfaturamento de 1.000%', citado por Bolsonaro, refere-se ao contrato do Governo Federal com a Bharat Biotech - laboratório indiano que produz a vacina Covaxin . Nele, há uma investigação sobre o Ministério da Saúde ter pago um valor maior do que o anunciado pela própria fabricante seis meses antes da assinatura do contrato .

Você viu?

Já o caso da 'propina de U$ 1 por dose' foi delatada durante sessão da CPI da Covid pelo policial militar Luiz Paulo Dominguetti - então representante da empresa Davati no Brasil - nas tratativas de venda de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca .


Saiba Mais: Entenda os dois casos de denúncias de propina para compra de vacinas investigados na CPI da Covid

Bolsonaro errou, também, em qual policia militar Dominguetti é policial. Citado pelo presidente como oficial "do DF [Distrito Federal]", o rapaz na verdade é cabo da Polícia Militar de Minas Gerais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários