queimadas no pantanal
Caio Guatelli / Divulgação
Fogo consomiu áreas do Pantanal em Poconé (MT)

O monitoramento de queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais ( Inpe ) indica que o Pantanal teve o pior setembro da série histórica de incêndios no bioma em 2020 . Dados consolidados do órgão indicam que, faltando três meses até o fim do ano, o acumulado de focos ativos de fogo na região já supera todas as médias anuais desde 1998, quando o levantamento começou a ser realizado.

Segundo o Inpe, 8.106 focos foram identificados no Pantanal em setembro. É quase o triplo do mesmo mês em 2019, quando as chamas no bioma já chamaram atenção nacional e internacional e exigiram forte articulação do Corpo de Bombeiros local. Na ocasião, foram 2.887 incêndios.

De janeiro a setembro foram registrados 18.259 focos de fogo no Pantanal. Mesmo com a expectativa por chuvas na região para atenuar a forte seca, esse número tende a crescer até dezembro. A parcial do Inpe já é, por larga margem, a maior devastação registrada no bioma em 22 anos. O maior recorde anual havia sido em 2005, quando foram regitrados 12.536.

Na última quarta-feira, em uma audiência publica no Senado, o presidente do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis ( Ibama ), Eduardo Bim, culpou a pandemia da Covid-19 pelo atraso na resposta do governo federal aos incêndios no Pantanal . Bim disse que a crise sanitária foi responsável pela demora do governo na contratação de brigadistas que atuam no combate a incêndios florestais.

A contratação de brigadistas do Ibama em 2020 só foi concluída no final de julho, quando a temporada de queimadas no Pantanal já estava em franca expansão. Em anos anteriores, essa contratação era normalmente concluída entre nos meses entre abril e junho.

Neste ano, o Ibama contratou 1.485 brigadistas para atuar em todo o Brasil. O número é semelhante ao contratado em 2019 (1.481), mas inferior ao contratado em 2018, quando 1.565 brigadistas foram selecionados pelo Ibama para atuar no combate a incêndios florestais.

Baixa execução

Em agosto, O GLOBO mostrou que, a despeito das queimadas recordes no Pantanal e também na Amazônia , o Ibama havia gastado, até o dia 30 de julho, apenas 19% de seus recursos previstos para prevenção e controle de incêndios florestais. A lei orçamentária de 2020 destinou R$ 35,5 milhões para que o instituto tomasse iniciativas que poderiam conter o avanço do fogo em ecossistemas, mas somente R$ 6,8 milhões foram investidos nos primeiros sete meses do ano.

Trata-se de um valor muito inferior ao registrado na série histórica. Durante todo o ano de 2016, o Ibama gastou 90,1% dos R$ 43.890.752 previstos para o combate às queimadas em áreas federais. Em seguida, foram 49,6% dos R$ 42.445.604 fixados pela LOA em 2017; 54,4% de R$ 52.301.296 em 2018; e 85,5% dos R$ 44.547.828 previstos no ano passado.

Em maio, o Ibama recebeu R$ 50 milhões não previstos na LOA deste ano para o combate e prevenção às queimadas. O aporte, recuperado pela Operação Lava-Jato em ações envolvendo a Petrobras e direcionado ao instituto após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em 2019, também foi pouco aproveitado pelo governo federal, a despeito das emergências registradas nos dois principais biomas do país. Do montante, apenas R$ 13.016.507 (26%) foram utilizados pelo Ibama.

Ambientalistas alertam que a maioria dos investimentos contra queimadas em florestas deve ser realizado antes da estação seca nos biomas, ou seja, entre abril e junho. Nos meses seguintes, os incêndios proliferam e já não há mais tempo para tomar medidas preventivas.

    Veja Também

      Mostrar mais