seis quadros são exibidos em em uma parede
Divulgação/Polícia Federal
Obras de arte apreendidas no apartamento de secretário de Saúde do Pará, Alberto Beltrame


O secretário da Saúde do estado do Pará, Alberto Beltrame, foi alvo da segunda fase da Operação Para Bellum , a Operação Matinta Perera. A Polícia Federal (PF) apreendeu mais de 300 obras de arte no triplex de Beltrame, em Porto Alegre. O conjunto das obras têm custo avaliado em mais de R$ 20 milhões.


A Operação Para Bellum, que foi aberta no último dia 10 no estado do Pará, investiga fraude na compra de respiradores para combater a Covid-19 que custaram R$ 50 milhões. O governador do estado, Helder Barbalho (MDB), também está sob investigação .

Sete endereços receberam mandatos do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Além do apartamento de Beltrame, também estão sob investigação escritório de advocacia, cujo advogado proprietário tem relação com Beltrame; um vizinho em seu prédio, com quem o secretário tem ligação; e uma casa em Xangri-lá, onde foram encontrados R$ 70 mil em reais, euro e dólar.

Investigação em triplex

O apartamento do secretário em Porto Alegre recebeu reforma não condizente com o aspecto exterior do prédio em que vive, que é antigo. O imóvel, localizado na Avenida Duque de Caxias, tinha obras de artes posicionadas em todos os cômodos, inclusive em banheiros.

O apartamento tem, ainda, terraço com ofurô e um elevador.

As obras de artes, apesar de estarem sob posse da PF, não podem ser movidas para que seus estados sejam conservados. Quando a investigação for concluída, serão retiradas do triplex de Beltrame e devem passar por negociação. Foi acionado para o caso um advogado como depositário das obras.

"Esclareço que as obras de arte que estão no meu apartamento em Porto Alegre são fruto de 35 anos de trabalho”, afirmou o secretário Beltrame em nota. “Todas elas foram adquiridas antes de minha gestão como Secretário de Saúde no Pará. Algumas obras são cópias, e as que têm valor foram declaradas no meu imposto de renda. Foram pagas com transferências bancárias e tenho suas notas fiscais. Todo o meu patrimônio é absolutamente compatível com a renda que auferi com meu trabalho ao longo deste tempo. Por fim, informo que os valores pagos pelos respiradores no Estado do Pará foram integralmente devolvidos aos cofres do Estado", continuou


A Polícia Federal também emitiu nota se posicionando sobre as investigações. Confira na íntegra.

"Com relação à apreensão de obras de arte ocorrida no dia de hoje nas buscas realizadas durante a Operação Matinta Perera, numa análise prévia, trata-se de conjunto significativo que ilustra as artes plásticas do Século XX no Brasil.

Entre o número de peças que compõem a apreensão, verifica-se inicialmente a existência de quadros de Vicente do Rego Monteiro, Iberê Camargo, Burle Marx, Di Cavalcanti, Djanira, Siron Franco, dentre outros, além de pinturas e esculturas de arte sacra e decorativa.

Nesta fase preliminar, ainda não se pode atestar a autenticidade das obras. Contudo está sendo feito contato com instituições de arte (museus) que possam custodiar e avaliar tal acervo, bem como fazer a manutenção e conservação das peças artísticas."

    Veja Também

      Mostrar mais