BBC

bolsonaro
Agência Brasil
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Quando as mortes por coronavírus no Brasil passaram de 5.000, no dia 28 de abril, o presidente Jair Bolsonaro comentou: " E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre ".

Leia mais:
De “não é isso tudo” à “tubaína”: veja falas de Bolsonaro sobre Covid-19
Covid-19: Brasil registra 1.116 novas mortes em 24 horas, segundo levantamento
Brasil se junta à Coreia do Norte e Venezuela ao omitir dados da pandemia

Quanto passaram de 10 mil, no dia 11 de maio, Bolsonaro lamentou pela primeira vez as mortes: "Olha, eu lamento cada morte que ocorre a cada hora. Lamento. Agora, o que nós podemos fazer é tratar com devido zelo recurso público. Em vez de fazer a notinha de pesar, que eu acho válido, eu também sou pesaroso a essas questões… Tem que dar exemplo, gastar menos".

Quando uma apoiadora pediu uma mensagem de conforto para as famílias em luto no Brasil, e o país superava 30 mil mortes, nesta semana, no dia 2 de junho, Bolsonaro respondeu: "A gente lamenta todos os mortos, mas é o destino de todo mundo".

Essa "impiedade" do presidente da República, nos olhos da psicanalista e escritora Maria Rita Kehl, se aproxima da psicopatia. A designação define pessoas com traço comportamental em que há falta de remorso ou empatia com o próximo, entre outras características.

"É muito difícil fazer diagnóstico de alguém que não conhecemos", diz ela. "Mas a minha impressão desde a campanha é que ele está mais próximo daquilo que a gente chama de psicopata."

Para ela, a impossibilidade da despedida de parentes ou amigos mortos na pandemia é traumática e pode levar a processos de luto mais longos e melancólicos. Kehl compôs a Comissão Nacional da Verdade, que investigou os crimes da ditadura militar no Brasil. Ela compara o luto pela morte de pessoas na pandemia ao luto pelos desaparecidos na ditadura.

Por telefone de casa, em São Paulo, à BBC News Brasil, Kehl falou sobre a pandemia, Bolsonaro e a "tristeza e indignação coletivas" que os brasileiros sentem. Seu livro "Ressentimento" será relançado em agosto pela editora Boitempo, com edição revista e atualizada.

Leia abaixo trechos da entrevista.

maria rita kehl
Divulgação / Arquivo
Maria Rita Kehl, psicanalista e escritora faz críticas às ações do presidente diante da Covid-19

BBC News Brasil - Pessoas estão perdendo familiares e amigos sem poder se despedir. Qual é o peso disso para o luto?

Maria Rita Kehl - Comparo com a impossibilidade do luto dos desaparecidos na ditadura. O desaparecimento depois de um tempo indica que foram mortos, mas os corpos nunca foram localizados. Sabemos do desespero desses familiares. Até hoje desaparecem pessoas no Brasil, mas em geral nas periferias, pessoas negras, mortas pela polícia.

A morte é um fenômeno difícil de simbolizar... De repente o corpo está, mas a pessoa não está. Por isso que não tem uma cultura tão primitiva que não tenha um ritual de sepultamento em homenagem a seus mortos.

De modo que só posso imaginar que [no caso dos mortos por coronavírus ] deve ser um luto quase impossível. Só não é tão impossível quanto a dos familiares dos desaparecidos porque a morte foi real, aconteceu.

Já é ruim o suficiente em qualquer morte. Agora, as pessoas não podem ver, não podem sepultar. Seu parente entra no hospital, depois você fica sabendo da morte e não pode nem ver o corpo. Isso é muito traumático. Tenho impressão que essas pessoas vão ter processos de luto mais complicados, mais longos, melancólicos do que os processos de luto que já são tristes de pessoas que a gente sepulta.

BBC News Brasil - E como as pessoas estão lidando com a pandemia? Há um sentimento generalizado de medo?

Kehl - Não há um só padrão. Por exemplo, se nós temos um presidente da República que diz que é uma "gripezinha", e que diz "lamento, todo mundo morre", embora esteja havendo uma pandemia e muitas pessoas estejam morrendo porque estão acreditando que podem ir pra rua, meu temor é que não seja só uma insensibilidade que machuca - porque machuca, evidentemente. Mas que seja uma insensibilidade que produz essa insensibilidade numa parte da população.

Porque esse mecanismo de defesa - quer dizer, no caso do presidente acho que é pura canalhice, mesmo - pode se tornar um mecanismo de indiferença, de desidentificação, "não é comigo", "não vou lamentar pelos outros porque acontece com os outros, mas não está acontecendo comigo nem com meus familiares".

Nesse momento, a solidariedade é tão necessária , nem que seja apenas simbólica, mandando cartas para os jornais, mandando dinheiro para lugares que fecharam, para alguém na rua com fome. Isso também é jeito bom de diminuir nossa angústia. "Diante desse horror que está acontecendo, posso fazer alguma coisa para os vivos?"

Essa é uma das reações que, embora seja generosa, também é egoísta porque nos tranquiliza um pouco. Você pode sentir que está preso em casa, mas está ajudando alguém. Tem esses dois lados. Sem solidariedade, sobra a barbárie.

Porque daí é um salva-se quem puder e dane-se quem não puder se salvar ou quem está correndo mais risco. É muito horroroso. Eu não sei nem qualificar direito o quanto isso é horroroso.

BBC News Brasil - Nesta semana, com mais de 30 mil mortos no Brasil, o presidente Bolsonaro disse: "Lamento todos os mortos, mas é o destino de todo mundo". O que isso revela sobre ele?

Kehl - Falta de empatia é o mínimo. É muito difícil fazer diagnóstico de alguém que não conhecemos, a gente já erra o diagnóstico de quem está no nosso consultório, no nosso divã. Imagina de alguém sobre a qual só temos notícias pelos jornais. Mas a minha impressão desde a campanha é que ele está mais próximo daquilo que a gente chama de um psicopata.

Um psicopata não é necessariamente um serial killer (um assassino em série). Digo porque geralmente quando aparecem essas figuras a imprensa começa a noticiar que são psicopatas. São pessoas que não têm divisão subjetiva. Divisão subjetiva significa "bom, eu corri demais, atropelei aquela criança", justifico dizendo que minha mãe estava doente, mas ao mesmo tempo eu me sinto angustiada. Mesmo quando fazemos algo muito ruim, como esse exemplo horroroso de atropelar uma criança, algo em nós não nos deixa em paz. E mesmo quando é uma coisa que a gente faz movida pela raiva. Você envenena o cachorro do vizinho que não te deixa dormir. Alguma coisa em nós sofre, mesmo pessoas más, sem consciência, egoístas, alguma coisa em nós sofre. O fato de ter que justificar já mostra que não é tão tranquilo quanto parece.

Vou dar só a definição do que é um psicopata para as pessoas pensarem se isso tem a ver com essa figura que ocupa a Presidência: o psicopata não tem essa divisão que diz: "Eu fiz, mas não deveria ter feito". "Eu fiz porque eu fui obrigada, mas eu sinto alguma culpa". Ele não tem. Ele não tem nenhuma empatia com o outro.

Essa resposta [sobre os mortes por coronavírus] é de um tal grau de impiedade… Não é só que ele não tem estatura para ser presidente do Brasil, isso a gente já sabe desde o começo, quando ele não comparecia a debates e xingava as pessoas. Ele não tem estatura humana naquilo que a gente considera que são alguns traços mínimos para você ser considerado um homem. Um homem humano.

BBC News Brasil - E qual é a importância, para uma sociedade, que seu líder lamente os mortos do país?

Kehl - Os gestos simbólicos são muito importantes. Vou fazer uma porcentagem meramente imaginária: é como se 30% para nós fossem questões materiais, como comer, morar, por exemplo, e 70% fosse esse outro campo que é o simbólico, que é o das trocas de linguagem, expressões, dos laços que se formam. O que distingue o humano de qualquer outra espécie é a capacidade da linguagem. E a linguagem é tudo o que dispomos quando não dispomos de mais nada.

As pessoas que ficaram em campos de concentração conseguiram escrever diários e livros. Algo como: "Eu estou aqui em condições subumanas, desumanas, mas eu ainda sou um ser humano". O que distingue o humano é isso, é a capacidade de registrar simbolicamente alguma coisa sobre sua vida e comunicar simbolicamente alguma coisa sobre sua vida ou a vida coletiva, o entorno.

Bolsonaro usa outros gestos simbólicos que não é o lamento. Diz algo como: "não é problema meu". E não é só não lamentar, é não fazer atos com consequências para diminuir a pandemia.

Meu temor é que a sociedade brasileira se torne menos solidária. Não que antes ela tenha sido muito solidária: o Brasil foi o último país livre a abolir a escravidão, por exemplo. Tivemos 300 anos de escravidão. E quando acabou escravidão também não houve teve nenhuma reparação. Temos uma população afrodescendente muito mais pobre porque seus bisavós, quando acabou a escravidão, foram jogados na rua. Coisas horríveis que estão no nosso DNA histórico, que já é uma sociedade menos generosa com o outro…

No entanto, a presença simbólica, o discurso, os atos de quem governa a sociedade produzem diferença. Quando o governo Lula criou o Luz Para Todos ou as cotas nas universidades, por exemplo. Foi uma coisa importantíssima, como forma tardia mas bem-vinda de reparação da desigualdade causada pela escravidão. Foi um ato que produz solidariedade.

Os gestos simbólicos daquele governo foram de inclusão, de promover igualdade, de promover a solidariedade, muito diferente dos gestos simbólicos desse governo de agora.

BBC News Brasil - A sra. escreveu um livro sobre ressentimento. Existe ressentimento na ascensão da extrema direita?

Kehl - O ressentimento tem esse "re" porque é um sentimento requentado, digamos assim. É uma disposição psíquica de alguns sujeitos quando eles não querem aceitar consequências dos seus gestos errados. Não aceita que é responsável por algo que o prejudicou. Então fica procurando um culpado. Depois passa o resto da vida remoendo isso: esse é o ressentimento.

Me parece que alguns votos bolsonaristas são votos ressentidos. É muito difícil saber do que se ressentem. De terem sido coniventes com a ditadura e vem Comissão da Verdade e mostra os horrores todos que aconteceram?

Ou o ressentimento de classe de quem no Brasil durante tanto tempo teve todas as prerrogativas… E veja, ninguém perdeu. Os ricos enriqueceram mais, só que os pobres tiraram o pé da lama. As prerrogativas dos ricos no Brasil são tão de exclusividade que geraram esse ressentimento.

Claro que tem ressentidos que votaram no Bolsonaro, mas tem gente que já era antipetista desde sempre e tem gente que apostou nesse plano econômico do Paulo Guedes, que é um plano para favorecer quem já é favorecido.

BBC News Brasil - Nesta semana, o ex-presidente Lula criticou os manifestos suprapartidários em defesa da democracia e se recusou a assiná-los. Existe também ressentimento por parte dele?

Kehl - O Lula é político até o último fio de cabelo. E não político no sentido de que queira ser candidato de novo. Eu não sei que ele está certo ou errado. Sinceramente, acho que ele tinha que aderir a esse movimento. Mas eu acho que o cálculo dele é político, não é porque ele é ressentido contra o Marcelo Freixo ou o Guilherme Boulos, por exemplo. Mas não sei julgar se esse cálculo político é certo ou errado.

Ressentimento é quando você se encolhe, não faz o que tinha que fazer e depois culpa o outro. Eu também não perdoo pessoas que apoiaram o impeachment da Dilma - que foi um golpe. Isso não é ressentimento. Eu acho que o Lula deveria fazer essa denúncia, mas assinar, porque o nome dele tem muito peso, mas eu entendo. O impeachment da Dilma foi um golpe que abriu a porteira para isso que tá aí agora. E não considero que toda essa revolta seja um ressentimento. Ao contrário, a revolta é o contrário do ressentimento. Ressentimento é remoer, revolta é dizer: "Com vocês não falo mais".

BBC News Brasil - Estamos vivendo um luto coletivo durante a pandemia?

Kehl - Há um luto por parte das pessoas de bem. Porque sabem que há uma pandemia, que ela está sendo minimizada, que atitudes cientificamente comprovadas para diminuir o contágio não estão sendo tomadas, sabem que essa pandemia combinada com escalada da pobreza no Brasil está misturando quem morre de covid-19 com quem morre de fome, de gripe, de desnutrição.

É um sentimento de enorme tristeza. Não é questão de direita e esquerda, é solidariedade humana básica.

É um luto coletivo e uma indignação coletiva, vamos lembrar isso. Tem uma tristeza coletiva porque está morrendo muita gente. Cada dia a gente vê nos jornais, estamos agora com mais de mil mortos diários. Claro que tem tristeza enorme com isso, mas tem também uma indignação. A pandemia talvez não fosse evitável, mas com algumas políticas públicas simples e de contenção, ela podia não ser tão catastrófica. E aí um presidente que diz "Ah, todo mundo morre, e daí?"... Como se as mortes fossem naturais. Não, são mortes por descaso.

    Veja Também

      Mostrar mais