mulher internada usa respirador
Jochen Sand/GettyImages/Creative Commons
Brasil se aproxima de 8 mil mortes e tem mais de 114.500 infectados, segundo ministério da Saúde


Segundo dados oficiais do Ministério da Saúde (MS), o Brasil conta com mais de 100 mil casos de pessoas infectadas pela Covid-19. No entanto, um grupo de cientistas voluntários de diversas instituições de pesquisa brasileiras apontam que o número real de casos está entre 1,3 milhão e 2 milhões de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

No cenário apontado pelos números calculados pelo Portal Covid-19 , o Brasil passa os Estados Unidos e se torna o atual epicentro da pandemia no mundo. Segundo a Universidade John Hopkins, que está monitorando o avanço da pandemia, os EUA têm 1,2 milhão de casos.

Leia também: "O pior já passou", diz Bolsonaro sobre a crise da Covid-19

Nesta terça-feira, 5, a pasta divulgou que o  Brasil possui 114.715 pessoas infectadas pela Covid-19 e está próximo de alcançar os 8 mil mortos. No entanto, esses números podem condizer com a realidade pelo pouco volume de testagem e subnotificações.

O próprio ministério afirmou que só fazem o teste rápido pacientes internados que estejam com sintomas fortes. Assintomáticos ou pacientes com sintomas leves também não são submetidos à testagem. Até a última segunda-feira, mais de 1.400 óbitos estavam sob investigação.

Em entrevista à revista Crescer, Domingos Alves, que é professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) e atua no Portal Covid-19, diz que o principal foco da pandemia hoje é o Brasil. Ele afirma ainda que o atraso nas notificações de casos farão com que o país lide com “números muito distantes da realidade”.

“Não estamos conseguindo gerenciar a pandemia. O que estamos fazendo é apenas lidar com os casos de internação, mas sem um cenário preditivo", diz.

Cálculos

No início da página da web do Portal Covid-19, o grupo diz utilizar “ferramentas de análise cientificamente embasadas” nos cálculos e espera que os resultados consigam ser de auxílio para “gestores, autoridades e a população de maneira geral”.

Para obter o número de casos do Brasil, foram usados modelos matemáticos baseados na Taxa de Letalidade (CFR na sigla em inglês, que representa Case Fatality Ratio) da Coreia do Sul, que é considerado referência no combate à pandemia por conseguir testar sua população. Quanto mais testes são feitos, mais precisos são os números.

Assim, os números do CFR da país asiático tem seu deslocamento de tempo ajustado entre a confirmação de infectados e confirmação de mortes. Em questão de número de óbitos, os cálculos do Portal Covid-19 estimam que houveram 10 mil a 12 mil.

Alves explica que a média de pessoas que precisam de internação no mundo é de 15%. Se temos hoje 107 mil casos [dado de segunda-feira, 4] notificados no boletim oficial, e sabemos que, por falta de testes, só estão sendo testadas pessoas internadas, não é difícil concluir que 85% das pessoas contaminadas com a Covid-19 não aparecem na estatística”, afirma. “Sabemos, porém, que os números são ainda maiores.”

A cidade de São Paulo é considerada como o epicentro de todo país, pois lidera no número de casos e mortes. Hoje, 5, foram confirmados que o estado tem 34.053 casos. No entanto, o total de infectados, segundo o cálculo, seria dentre. Os dados oficiais do estado do Rio de Janeiro confirmam 12.391 casos, mas o cálculo aponta para 152,3 mil e 244 mil. Ambos os cálculos são válidos até o dia 4 de maio.

Leia também: Taxa de isolamento social em São paulo cai para 47%, aponta monitoramento

Para Alves, é preocupante o crescimento de casos que acontecem em cidades do interior, isso porque a infraestrutura do sistema de saúde é inferior ao de cidades metropolitanas. Segundo ele, é possível que a situação saia do controle até mesmo de autoridades e governadores. “O que as pessoas não estão levando em consideração é que o atraso de medidas mais rígidas, a falta de gestão da pandemia, representa vidas que poderiam estar sendo salvas”, explica.

    Veja Também

      Mostrar mais