Nas imagens, ao menos dez corpos estão na ala do Hospital Pronto Socorro João Lúcio
Reprodução
Nas imagens, ao menos dez corpos estão na ala do Hospital Pronto Socorro João Lúcio

Um vídeo publicado nesta quinta-feira em redes sociais mostra pacientes do Hospital Pronto Socorro João Lúcio, na Zona Leste de Manaus, dividindo uma ala com pessoas mortas sob suspeita de Covid-19. Com duração de pouco mais de um minuto, as imagens mostram 10 corpos envoltos em sacos mortuários ou cobertas e dispostos nas macas da sala rosa da unidade, onde há atendimento a infectados pelo novo coronavírus.

Leia também: Governo investigava secretamente gestão de Mandetta, diz revista

A pessoa responsável pela filmagem chega a afirmar que há 14 mortos no local. Esse número de óbitos foi confirmado pela Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam), que também informou que o hospital ainda tinha nove corpos abrigados em suas instalações até a noite de quinta. Todos chegaram ao local em estado grave.

Órgãos fiscalizadores da área da Saúde foram notificados sobre o vídeo. O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), por exemplo, tomou ciência do ocorrido junto à sua divisão no estado após a realização de uma vistoria. A representação do colegiado na região deve anunciar nos próximos dias as informações coletadas no hospital e anunciar medidas administrativas com o objetivo de ajudar a solucionar o quadro.

Vídeo gravado no hospital estadual João Lúcio, em Manaus, mostra corredores e salas com corpos à espera de remoção ao lado de pacientes e macas no chão. A capital é a única cidade com UTI no Amazonas, o estado com a mais alta taxa de incidência do novo coronavírus do país.

Você viu?

Leia também: Demitido do Ministério da Saúde, Mandetta terá cargo no DEM

Além de completamente danosa aos pacientes, a situação também pode prejudicar a saúde física e mental de profissionais. Um dos possíveis desdobramentos será o envio da denúncia ao Ministério Público (MP) e ao Ministério Público do Trabalho (MPT).

"Trata-se de uma área em que não deveriam estar pacientes críticos e na qual estão, além de pessoas vivas, outras que vieram a óbito. É possível observar profissionais trabalhando nesse ambiente precário. É uma situação de guerra a que estamos vivendo e precisamos estar muito bem alinhados para enfrentar o momento", afirma Eduardo Fernando de Souza, membro do comitê de gerenciamento de crise do Cofen e da Comissão Nacional de Urgências e Emergências.

Em nota, a Susam esclareceu que as 14 mortes foram registradas entre a noite de quarta-feira e a manhã de quinta, todas sob suspeita de infecção pelo novo coronavírus . Somente cinco corpos, no entanto, foram liberados da unidade até as 17h. O restante, já com atestados de óbito emitidos, ainda aguardava a chegada das famílias. Do total de óbitos, oito foram de pessoas acima dos 60 anos e seis apresentavam comorbidades.

Leia também: Após demissão de Mandetta, Bolsonaro fala em responsabilização por "excessos"

O Hospital João Lúcio, ainda segundo a Susam, tem recebido pacientes com suspeita de Covid-19 até que o Hospital Delphina Aziz, referência para a doença em Manaus , tenha seus leitos ampliados. Também é aguardado o início da operação do Hospital Nilton Lins, cujo reforço permitirá que no João Lúcio se concentrem apenas atendimentos de urgência e emergência.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários