Rafael Damas
Arquivo pessoal/Rafael Damas
Funcionário de hospital em São Paulo, Rafael acabou sendo infectado ao manipular testes de pacientes

Relatos de médicos e enfermeiros que foram infectados ou até morreram por causa da pandemia do Covid-19 têm dado o tom da cobertura da batalha da "linha de frente" de profissionais que estão enfrentando esta ameaça. Porém, a cadeia de tarefas dentro dos hospitais depende de muitas outras pessoas, que ficam igualmente expostas ao contágio.

Leia também: “Bolsonaro está apostando alto pra ver no que vai dar”, diz Lula

Neste grupo, estão os analistas clínicos e laboratoriais, responsáveis por encaminhar os exames dos pacientes com o Covid-19 para os laboratórios especializados como Adolfo Lutz, na cidade de São Paulo. Mesmo não lidando diretamente com os pacientes, e contando com segurança dos equipamentos de proteção individual, as infecções acabam acontecendo e modificam a rotina dos funcionários. Como é o caso de Rafael Damas, que acabou ficando doente. 

"Eu estava tomando todos os tipos de precauções, mesmo não lidando diretamente com pacientes . Minha rotina mudou totalmente: tomava uns três ou quatro banhos por dia para descontaminação e por preocupação com a minha mãe", relembra o biomédico Rafael Damas, responsável pelos setores de bioquímica e imunologia em um hospital de São Paulo.

Mesmo sem realizar os testes do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no hospital, Rafael relata que recebia todas as amostras coletadas no local e fazia o encaminhamento. Neste processo, atuava ao lado da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) e coordenava todas as ações. Tudo isso usando equipamento de segurança completo: jaleco, máscara, luva e óculos de proteção.

Leia também: Paciente com suspeita de Covid-19 agride médico em Curitiba

"Na segunda-feira retrasada (23), fui trabalhar normalmente e quando cheguei em casa estava com 40º de febre . Até então, não achei que estava com o Covid. Tomei medicação em casa, só que a febre não baixou. Fui ao hospital São Cristóvão e recebi o atestado de afastamento", afirma.

Entretanto, Rafael lembra que acabou não realizando o teste para identificação do vírus porque o hospital só estava autorizando para os pacientes que estavam internados. Assim, acabou voltando para casa e precisou de uma "ajuda" para conseguir a confirmação de seu diagnóstico.

"Falei com o meu chefe e ele conseguiu um teste para mim. Depois disso, passei no Cema (hospital localizado na zona leste de São Paulo), porque minha garganta não parava de doer e estava com acúmulo de secreção. Tomei uma injeção e voltei para casa com um pedido de antibiótico."

exame
Reprodução/Arquivo pessoal
Resultado de exame mostra positivo para o novo coronavírus

No último sábado (3), enfim veio a confirmação: positivo para Covid-19 . Mesmo sendo da área, o resultado acaba sendo um choque: "acho que como já havia passado da fase crítica, não me abalei tanto. Além disso, o fato de ser da área me deu um melhor discernimento. Mas, vou confessar: é difícil, a mente vai longe".

Leia também: "Há guerra ideológica e de poder" por cloroquina, diz Bolsonaro

Agora, tendo que permanecer afastado do serviço e dentro de casa, ele diz que aumentou a vigilância e tem se mantido distante da mãe. Tudo para evitar o contágio dentro de casa.

    Veja Também

      Mostrar mais