Testes
Divulgação/Ministério da Saúde
Falta de testes pode estar "encobrindo" dados no país

Apesar de estar longe de apresentar os dados dos países mais atingidos pela Covid-19, como Itália e Espanha, o Brasil começa a mostrar números preocupantes da doença. Após a última atualização dos dados, feita neste domingo (5), o número de mortes por casos confirmados, a chamada taxa de mortalidade, colocou o país à frente de EUA e China.

Leia também: Bolsonaro diz que usará caneta contra pessoas do governo que "estão se achando"

Dados do Covid19stats, que engloba as informações de todos os países sobre o novo coronavírus (Sars-Cov-2), mostram que o Brasil soma 11.130 casos e 489 mortes. Com isso, a taxa de mortalidade é de cerca de 4,3%, maior do que a registrada pelos norte-americanos (2,8%) e os chineses (4,0%).

Entretanto, mesmo com a escalada, o Brasil ainda segue distante de Itália e Espanha , os dois países com a maior taxa: até a manhã desta segunda-feira (6), os valores eram de 12,3% e 9,6%, respectivamente. França (9,7%) e Bélgica (7,8%) também têm números expressivos.

Faltam testes e sobram omissões

Segundo análises, o Brasil pode estar enfrentando dois problemas principais: a falta de para testes e as subnotificações dos dados da doença. Recentemente, o país comprou novos kits para poder testar uma parcela maior da população, o que poderia aumentar consideravelmente o número de casos confirmados, e identificou omissões em alguns estados nos totais declarados de óbitos.

Em relatório do último dia 3 de abril, por exemplo, pesquisadores da PUC-RJ e da Fiocruz alertaram que a aparente diminuição do ritmo da Covid-19 poderia ser ilusória em razão da subnotificação: "no dia 31 de março, o Brasil apresentou auento de 25% em comparação ao dia anterior, sendo que em São Paulo o aumento foi de 54%".

Leia também: Sem audiências, 51% dos presos pela polícia no Rio são soltos na pandemia

Outro exemplo aconteceu com os postos de Saúde em São Paulo. Em orientação enviada no último dia 25 de março para 37 unidades de atendimento na zona sul da cidade, o Cejam (Centro de Estudos e Pesquisas João Amorim) pedem que  apenas casos de profissionais da saúde com queixa respiratória sejam reportados.


    Veja Também

      Mostrar mais