Fachada de um hospital da rede Prevent Senior arrow-options
Divulgação
Ao menos cinco mortes por covid-19 aconteceram em hospitais da rede Prevent Senior










Antônio Luiz Fernandes, engenheiro de 77 anos, morreu na última segunda-feira (16), às 22h. Sua família, porém, só foi informada por volta de 20h do dia seguinte , quando chegou ao hospital Sancta Maggiore, no bairro do Paraíso, em São Paulo, para visitá-lo. 

Além disso, as pessoas que tiveram contato com ela não foram testadas e não receberam nenhum tipo de orientação sobre como se proteger da doença. Na verdade, a família só teve a confirmação que Antônio Luiz foi uma das vítimas brasileiras do novo coronavírus na última quinta-feira (19), um dia após o enterro. 

Brasil tem 904 casos e 11 mortes por coronavírus confirmadas

“O que mais me deixa chateada é como as pessoas são tratadas aqui no Brasil. Não avisam, não dão satisfação”, afirmou Maria Augusta Fonseca, cunhada de Antônio.

antônio Luiz Fernandes arrow-options
Arquivo pessoal
O engenheiro Antônio Luiz Fernandes

Questionados pelos parentes sobre a demora em avisar sobre o falecimento, os funcionários do hospital afirmaram que tentaram entrar em contato por telefone.  Já a família de Antônio afirma que não havia nenhuma chamada perdida nos telefones fornecidos como referência à unidade de saúde.

Neste mesmo dia, eles receberam um atestado de óbito provisório, no qual constava a morte por Síndrome Respiratória Aguda Grave e “suspeita de covid-19”.  Foi por meio deste documento que ficaram sabendo da possibilidade de Antônio ter sido vítima da pandemia de covid-19 .

O engenheiro estava internado desde o dia 10 de março com diagnóstico de pneumonia . No domingo (15), no entanto, seu quadro apresentou uma piora e ele foi testado para o novo coronavírus.

Os familiares, porém, afirmam que essa suspeita não foi discutida com eles, e que também não foram testados e nem receberam nenhum tipo de orientação sobre isolamento ou prevenção contra a covid-19. 

Bolsonaro diz que Brasil e China estão bem e pede ajuda com coronavírus

Tanto a mulher de Antônio quanto seus filhos tinham tido contato intenso com ele nos dias anteriores, uma vez que ele estava internado em uma UTI humanizada , ou seja, que permite que familiares passem o dia todo com o paciente.

Naquele mesmo domingo (15) o engenheiro foi transferido do hospital da Prevent Senior que fica em Pinheiros para outro da mesma rede no bairro Paraíso, onde ele morreu um dia depois. 

Hospital em observação

Ao menos cinco mortes por covid-19  aconteceram em hospitais da rede Prevent Senior , segundo a própria empresa. O último balanço divulgado na quinta-feira (19) aponta que 28 pacientes internados em hospitais da rede tinham diagnóstico confirmado da doença e outros 95 aguardavam resultado de exames.

As secretarias estadual e municipal de Saúde de São Paulo  fiscalizaram os hospitais da Prevent Senior e verificaram um quadro de superlotação, falta de funcionários e desorganização no fluxo hospitalar, de acordo com a coluna da Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo , o que foi negado pela empresa.

Esta semana a prefeitura  acusou a rede de omitir casos de coronavírus. A suspeita fez com que a Secretaria de Saúde de São Paulo decretasse uma norma obrigando todos os hospitais do estado , públicos ou privados, a informar diariamente a quantidade de pacientes atendidos ou internados por coronavírus .

A família foi avisada na última quinta-feira (19) que o teste de Antônio Luiz Fernandes deu positivo para o novo coronavírus. Nesta ocasião também não receberam nenhuma informação sobre isolamento ou prevenção. O enterro do homem de 77 anos foi realizado na quarta (18) sem velório com o caixão lacrado, por orientação da funerária.

Procurada pelo iG , a Prevent Senior não respondeu sobre quais são os protocolos adotados nos hospitais da rede quando há uma suspeita de covid-19. A empresa também não se manifestou sobre a demora em informar a família sobre a morte.

    Veja Também

      Mostrar mais