carro da polícia e carro de polícia científica
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
Massacre em escola de Suzano completa um ano nesta sexta-feira

O massacre de Suzano, que completa um ano nesta sexta-feira (13), marcou o fim da vida de oito alunos da Escola Raul Brasil, de um empresário e das duas pessoas que cometeram os assassinatos, enlutando os 150 mil habitantes da cidade no Alto Tietê paulista. Os responsáveis diretos pelo crime, Guilherme Taucci, 17 anos, e Luiz Henrique Castro, 25 anos, morreram, mas aqueles que forneceram as armas estão vivos e em liberdade após serem julgados.

As investigações feitas pela Polícia Civil de São Paulo terminaram com cinco pessoas apontadas como suspeitas. Um adolescente, internado na Fundação Casa por ser suposto mentor intelectual dos crimes, e quatro adultos, indiciados pela Polícia Civil por vender armas e munições aos responsáveis.

Leia também: Responsável por matar produtor no trânsito segue solto 3 meses após o crime

Na justiça, o processo pedia a prisão dos quatro suspeitos de venda de armas por oito homicídios consumados (no caso dos alunos que morreram) e 11 tentativas de homicídios (no caso daqueles que ficaram feridos). A decisão dada pelo juiz responsável pelo caso, Fernando Augusto Andrade Conceição, declarou improcedente as queixas que responsabilizariam os réus por esses crimes em específico, mas no dia 27 de fevereiro de 2020, condenou dois deles, absolveu outro e transferiu o julgamento do quarto para a Comarca de São Paulo.

Todos os indiciados responderam por crimes referentes ao Estatuto do Desarmamento. Geraldo Oliveira Santos, conhecido como Buiú, e Cristiano Cardias de Souza, chamado de "Cabelo", suspeitos de vender arma e munições para Taucci, foram condenados a 4 anos de prisão, mas tiveram pena revertida em restritiva de direito, quando podem responder em liberdade na condição de prestar esclarecimentos e trabalhos comunitários.

Leia também: Secretário de Educação de SP descarta militarizar escola Raul Brasil, em Suzano

A decisão revoltou muitos, mas, segundo o mestre em direito penal Glebson Bezerra, se mostra coerente dentro do âmbito jurídico . “Embora a gente tenha um entendimento de que a pena deve ser pensada para a sociedade, porque a gente tem um pensamento punitivista, não é assim que ela funciona. A gente precisa entender que todo mundo deve ser julgado diante de sua culpabilidade”, afirma. Para ele, porém, a escolha de não impor a pena dentro do cárcere pode não cumprir a finalidade.

“O grande questionamento que a gente precisa fazer é: será que essa pena realmente vai atingir a finalidade? Eu acredito que não. Porque para alguém que faz a mediação entre adolescente e uma pessoa que vende armas ter uma pena restritiva de direitos e prestação de serviços à sociedade não vai ter ressocialização nenhuma”, pontua.

Confira as decisões judiciais referentes a cada um dos acusados:

Geraldo de Oliveira Santos, chamado de “Buiu”: é suspeito de vender ao autores do crime um revólver calibre 38 . Foi condenado a quatro anos de reclusão e pelo crime previsto no artigo 17 o Estatuto do Desarmamento, que proíbe a venda de armas sem autorização. Apesar da condenação, ele foi considerado dentro dos requisitos para cumprir pena restritiva de direito, não indo para a cadeia. Geraldo foi condenado a pagar 10 dias de multa e deve prestar trabalhos comunitários a serem definidos.

Leia também: Último aluno ainda internado após massacre de Suzano recebe alta hospitalar

Cristiano Cardias de Souza, chamado de “Cabelo” e “Barroso”: teria feito o intermédio entre os jovens e Buiu para venda da arma e fornecido munição para o revólver. Foi inicialmente condenado a quatro anos de reclusão pelo artigo 17 do Estatuto do Desarmamento, mas, assim como Geraldo, vai cumprir a pena restritiva, pagando 10 dias de multa e prestando trabalhos comunitários.

Márcio Germano Masson, chamado de “Alemão”: suspeito de fornecer munição aos criminosos, foi absolvido por falta de provas que o liguem ao crime.

Adeilton Pereira dos Santos: suspeito de ter participado do intermédio para venda da arma. Teve caso redistribuído para a Comarca de São Paulo por “ incompetência do juízo ”. Ele poderá recorrer à sentença em liberdade.

Leia também: Em metade dos massacres em escolas no Brasil, armas tiveram origem doméstica

Além deles, um adolescente de 17 anos e identidade não revelada está sob custódia. Ele foi apontado pela polícia como “mentor intelectual” do crime, planejando assassinatos em conversas do WhatsApp. Nos diálogos, o jovem falava em cometer estupros contra as meninas e em usar granadas no ataque.

Com apoio de amigos e família, uma professora nasce de novo

A professora Rita* trabalhava há mais de uma década na Raul Brasil no momento do ataque. Sobreviver ao terror que se passou dentro da escola fez com que ela considerasse o 13 de março como uma nova data de aniversário. O renascimento, porém, a transformou em uma pessoa que batalha diariamente para superar o trauma. “Desde o ocorrido tenho problemas com sono. Não durmo mais uma noite inteira, mesmo tomando remédio. Não consigo mais desenvolver minhas atividades da mesma forma. Chego a dizer que parece que sou outra pessoa”, afirma.

Em constante tratamento psicológico e psiquiátrico desde o ocorrido, a docente
“Não tive nenhuma ajuda há não ser o apoio dos colegas de trabalho e da minha família. O governo do estado parece estar mais preocupado em aparecer na mídia do que em se preocupar com as pessoas, pelo menos com professores”, lembra. Para Rita, focar no caso da Raul Brasil como fato isolado pode ser um erro.

Leia também: Justiça mantém internação de acusado de planejar ataque em Suzano

“Reformar a escola foi um ato bom, mas não temos só a Raul Brasil como vulnerável. Nós temos várias escolas no estado de São Paulo que estão sujeitas a ações como essa e a gente não está vendo ação nenhuma de medidas de proteção nessas outras escolas, infelizmente”, analisa.

Escola permanece fechada para reformas

homem passeando em obra
Secretaria de Educação de São Paulo
Secretário da Educação de São Paulo, Rossieli Soares, visita obras de reforma da escola Raul Brasil

A reforma mencionada pela professora tem como intuito, além de melhorias na segurança, oferecer um espaço reformulado para alunos e funcionários que foram vítima de traumas. Demolição e reconstrução de salas de aula e mudanças no espaço de convivência são algumas das alterações previstas pela Secretaria de Educação de São Paulo.

Leia também: Quatro são indiciados por massacre da escola Raul Brasil em Suzano

Questionada pela reportagem sobre as obras na escola Raul Brasil, a Secretaria de Educação afirmou que a previsão de reabertura da escola é o mês de abril de 2020. As obras, segundo a Seduc, custaram R$ 2,7 milhões. Desse dinheiro, R$ 400 mil foram investidos pelo estado de São Paulo e o resto por 29 empresas parceiras.

A secretaria de Educação também foi questionada sobre o apoio psicológico fornecido aos sobreviventes do atentado, mas não se pronunciou sobre o assunto.

Leia também: Um ano após massacre, escola em Suzano será reaberta com medidas de segurança

As mudanças físicas aplicada ao local devem mudar radicalmente a Raul Brasil conhecida por seus alunos, hoje trabalhadores e moradores de Suzano. Simone da Silva, de 46 anos, chegou à cidade quando ainda era bebê e guarda boas memórias da escola em na qual concluiu os estudos no ano de 1996

duas mulheres lado a lado
Arquivo pessoal
Simone ao lado de uma das professoras da Escola Raul Brasil no dia da sua formatura, em 1997

Mesmo com 23 anos separando o término do ensino médio de Simone na Raul Brasil e o crime repercutido internacionalmente, o espaço físico no qual ela estudou era quase o mesmo. “Não mudou muito. Para a gente entrar na escola tinha que passar pelo segundo portão da secretaria. Ele era aberto, mas muitas vezes a gente tinha que apertar a campainha”, recorda. Passando com frequência na frente do local, ela torce para que os mesmos muros que a acolheram com tanto carinho possam voltar a trazer lembranças positivas a mais alunos no futuro.

“Na turma que eu estudava até hoje tem gente com quem converso. Os professores eram amigos, carinhosos, as merendeiras eram excelentes. Foi uma época muito boa”, lembra. A Raul Brasil marcou o último passo de Simone na vida de estudante e a entrada dela na fase adulta. Hoje, a mulher que trabalha com aluguel de brinquedos, devolve por meio de ações sociais na cidade de Suzano a gratidão por tantos bons momentos ali vividos.

*A docente não quis ser identificada

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários