Maria Eduarda
Reprodução/redes sociais
Maria Eduarda foi encontrada por um caminhoneiro em estrada de Duque de Caxias

A menina de 9 anos, que passou 17 horas em um cativeiro , após ter sido levada de uma praça de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, sofreu abusos sexuais. Segundo parentes de Maria Eduarda, o exame de corpo delito, feito nesta segunda-feira (9), no Instituto Médico-Legal, confirmou que a criança foi molestada pelo homem que a tirou de um brinquedo e fugiu do local em um carro de placa não anotada.

Leia também: MP investiga relação de bicheiro em "balcão de negócios" da Prefeitura do Rio

Durante o tempo em que ficou em poder do suspeito, a criança permaneceu em uma casa, que ainda não foi localizada pela polícia. Policiais da 60ª DP (Campos Elíseos) tentam identificar o homem, que responderá por crimes de estupro de vulnerável e cárcere privado. Um dia depois de ser libertada, Maria Eduarda acordou bem disposta e se alimentou normalmente.

De acordo com familiares, a menina ainda está traumatizada com o que ocorreu. Ela contou que, enquanto esteve na casa em poder do homem que a levou, não se alimentou e nem conseguiu dormir.

"Ela ficou a noite toda acordada, sem conseguir dormir. Não comeu direito, tanto que quando foi encontrada, estava com fome. Depois de voltar para casa, ela dormiu bem e acordou nesta terça-feira mais bem disposta. Já se alimentou bem, mas ainda lembra de vez em quando do que ocorreu", disse um familiar.

Maria Eduarda já recebeu atendimento médico e passará por um tratamento psicológico. A previsão é a de que ela fique descansando pelo menos até o fim da semana. Durante este período, ela não irá à escola.

— Por enquanto ela ficará em casa e não irá à escola —disse um parente.

A mãe da menina, que já havia prestado depoimento na segunda-feira, foi ouvida mais uma vez, nesta terça-feira, na 60ªDP. O delegado Uriel Alcântara está apurando o caso em sigilo e, por enquanto, prefere não dar maiores detalhes da investigação. O que sabe até agora é que o suspeito seria um homem de aproximadamente 50 anos, e que no dia em que a menina foi levada, usava uma camisa listrada.

Com a repercussão do desaparecimento da menina, que foi noticiado por jornais e emissoras de televisão e tomou conta das redes sociais, o responsável pelo sumiço de Maria Eduarda abandonou a criança, por volta das 14h, embaixo de viaduto, na Rodovia Washington Luís, na altura da Refinaria de Duque de Caxias (Reduc).

Pouco depois, um caminhoneiro que passou pelo local  viu a menina e a reconheceu por uma foto que circulava nas redes sociais. Ele então chamou policiais do 15ºBPM (Caxias) que levaram a criança para 60ª DP, onde os pais a encontraram.

Moradora de Belford Roxo, Maria Eduarda desapareceu na noite de domingo. Ela estava com a mãe e um irmão, de 10 meses, na Praça do Galo, no Bairro Parque Fluminense, quando foi brincar em um pula-pula.

Leia também: Após fala sobre fraude, Doria sugere que Bolsonaro se submeta a novo pleito

Um homem se aproximou do brinquedo, tampou a boca da menina , e a arrastou para um carro, sumindo em seguida. A família mobilizou cerca de 50 pessoas, entre parentes e amigos, para tentar localizar a criança. Cartazes foram espalhados por bairros de Duque de Caxias, Belford Roxo e São João de Meriti. Por volta das 14h desta segunda-feira, ela foi finalmente localizada.

    Veja Também

      Mostrar mais