Tamanho do texto

O vereador Adilson Amadeu (DEM) ofendeu o judeu Daniel Annenberg (PSDB) durante sessão na Casa. Os dois precisaram ser afastados após briga

Amadeu e Annenberg arrow-options
Divulgação
O vereador do DEM Adilson Amadeu, direita, fez uma ofensa antissemita a Daniel Annenberg (PSDB), esquerda

Durante sessão desta quarta (11) na Câmara de São Paulo, o vereador Adilson Amadeu (DEM) chamou o também parlamentar Daniel Annenberg (PSDB) de "j udeu filho da puta ". A ofensa foi realizada após o tucano ter votado contra um projeto de Amadeu. Os dois brigaram e precisaram ser afastados, fazendo a sessão ser suspensa logo em seguida.

Leia também: Imagens mostram momento em que vereador é sequestrado; veja

“Eram 23h30 e estávamos votando o projeto dele. Votei não. E aí ele começou a me agredir. Primeiro em palavras, depois chegou a quase me agredir fisicamente”, relatou Annenberg à revista Veja . O tucano já foi presidente da Câmara de São Paulo entre 2011 e 2016. Ele afirma que irá tomar medidas legais contra Amadeu.

"Em uma sessão tensa que já durava quase 8 horas, no calor da discussão, eu realmente me excedi", afirmou em nota Amadeu. "Caso alguém tenha se sentido ofendido e ainda que não tenha sido uma fala generalizada, quero pedir minhas sinceras desculpas à comunidade judaica. Em nenhum momento houve um ataque à cultura ou tradição judaicas, a quem sempre fiz questão de respeitar."

Leia também: Funcionário do IML é demitido por suspeita de ter relações sexuais com cadáveres

A Federação Israelita do Estado de São Paulo (FISESP) repudiou a fala de Amadeu e disse em nota que "mesmo no calor das discussões parlamentares, não há espaço para o aprofundamento de preconceitos, discriminações e divisões em nossa sociedade".

A entidade, que representa a comunidade judaica afirma estar tomando medida legais para que o vereador do DEM responda criminalmente. "O parlamento paulistano não pode se tornar uma terra sem lei", afirmam.

Leia também: Seguranças que chicotearam jovem são inocentados da acusação de tortura

Assista à fala do vereador: