Tamanho do texto

Aluna supostamente ofendida continua esperando o processo de sindicância interna da universidade, que promete averiguar o caso


Manifestação de alunos contra racismo na Puc Campinas arrow-options
Noemy Ariane
Manifestação contra racismo na Puc Campinas




Na última quarta-feira (18), a PUC-Campinas recebeu uma série de notificações feitas pelo Ministério Público de São Paulo sobre caso de racismo praticado contra a aluna Noemy Ariane Tomas, durante sarau literário que marcava a reabertura do Centro Acadêmico de Ciências Sociais na universidade .

Segundo Caio Madeira, músico e compositor presente no dia do evento, Noemy - que cursa o primeiro ano de Ciências Sociais - recitava o poema "Me gritaram Negra" quando um aluno do curso de direito começou a imitar um macaco em uma escada, ao lado do sarau. “O poema era justamente sobre se descobrir negra e as implicações sociais disso - de forma que ela estava constantemente bradando a palavra ‘ negra ’ com orgulho e força ”, disse o compositor.

Leia também: Por que o 'blackface' feito pelo premier canadense é uma forma de racismo

Caio afirmou que um grupo de estudantes presentes no sarau foi atrás do aluno, e alguns voltaram chorando por terem sido ofendidos

“Noemy pegou o microfone e disse que por mais que fosse incômodo para alguns, negros e negras continuariam a ocupar a universidade sim, e cada vez mais”.

Em depoimento ao iG Último Segundo , Noemy preferiu não comentar o caso e diz estar “aguardando a sindicância interna” da universidade .

A jornalista e autora do livro “A Negra Cor que resiste nas ruas Campineiras”, Geovanna Bispo, pensa que se a população negra não tomar voz , isso vai continuar acontecendo com evidência.

“A gente tem que parar de pensar que foi injúria racial. As pessoas confundem racismo com injúria racial. Isso é racismo ”, conclui a jornalista.

Leia também: Advogado processa Bolsonaro no STF por racismo após fala sobre o Nordeste

Ato de Solidariedade

Unicamp faz manifestação em prol de aluna que sofreu racismo na Puc Campinas arrow-options
Facebook/ Unicamp
Unicamp faz manifestação em prol de aluna que sofreu racismo na Puc Campinas


Diversos grupos, formados por estudantes da universidade, realizaram um ato pacífico na última segunda-feira (16) apoiando Noemy e exigindo punições para o estudante de direito, que não quis gravar entrevista. Além disso, inúmeras páginas do Facebook, como “Te vi na Puccamp”, “União de Jovens Comunistas da Puccamp (UJC)”, e de outras faculdades da região, como a Unicamp, se solidarizaram com a aluna ofendida e repudiaram o autor das ofensas.

A Universidade diz ter instaurado um processo de sindicância interna “para investigar as supostas ofensas racistas envolvendo os estudantes” e que “acompanha as investigações conduzidas pela Polícia Civil após o registro do Boletim de Ocorrência pela aluna”.

Leia também: Trump ataca famoso ativista negro dos EUA e volta a ser acusado de racismo

“É importante salientar o caráter retraído que a PUC - Campinas tem tomado em casos como esse. As sindicâncias internas, que averiguam essas situações pouco surtem efeito, apenas provêem quando há interferência do Ministério Público , de reportagens da mídia e principalmente quando há uma pressão da massa estudantil ”, diz aluno. A fonte, que é membro do Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (CCHSA) e militante da UJC, solicitou anonimato

arrow-options
Noemy Ariane
"Me gritaram negra e eu resisti", diz cartaz


“É bom salientar também que o racismo é um problema sistêmico , o estado e grande parte dos capitalistas lucram toneladas em cima do sangue preto . A superação do racismo não vai se dar por grandes corporações promovendo falsos discursos de inclusão, mas sim, por uma luta anti- racista acoplada na luta anticapitalista”, concluiu.

Leia também: Bolsonaro é inocentado em acusação de racismo contra quilombolas

Racismo é crime

Discriminar as pessoas pela cor da pele é crime . A lei prevê que, se comprovado o ato de racismo , o indivíduo pode ser condenado de um a cinco anos de prisão.  A Lei de nº 7.716 surgiu há pouco mais de 30 anos e tenta combater crimes ligados ao racismo

Veja algumas imagens que circularam nas redes sociais, incluindo movimentos que iniciaram após o ato de racismo, como "Relatos Sobre Machismo".

Imagem da manifestação circula em redes sociais arrow-options
Noemy Ariane
Imagem da manifestação circula em redes sociais