Tamanho do texto

Transferência foi interrompida após quatro presos serem executados dentro do caminhão-cela que levava o grupo até a capital paraense

Transferência presos arrow-options
Divulgação/Susipe-PA
Presos que chegaram a Belém estavam em caminhão-cela que foi cena de mais quatro assassinatos

Na noite desta sexta-feira (2), chegaram a Belém, capital do Pará, 18 dos 26 detentos que saíram do Centro de Recuperação de Altamira (CRRALT) após rebelião que acabou com o massacre de 58 presos da unidade na última segunda-feira (29).

Leia também: Banho de sangue da guerra entre facções no Pará vai além dos muros das cadeias

A transferência dos presos , que já deveria ter sido finalizada, foi interrompida na altura de Marabá após  quatro deles terem sido executados dentro do caminhão-cela que levava o grupo.  22 dos detentos que estavam no veículo foram indiciados pelas mortes, que aconteceram por estrangulamento, segundo laudo pericial da polícia.

Com isso, os deslocamentos estão sendo realizados com aeronaves do Grupamento Aéreo de Segurança Pública ( Graesp ), que transportam grupos de cinco presos por vez e contam com a escolta de agentes penitenciários , a fim de evitar novas tragédias.

Relembre o caso

Quatro presos foram assassinados , dentro de um caminhão-cela da Superintendência do Sistema Penal do Estado do Pará ( Susipe ), na noite da última terça-feira (30). Trinta detentos estavam sendo transportados de Altamira para Marabá , depois da rebelião que deixou 58 mortos no Centro de Recuperação Regional, quando em dado momento iniciaram uma brigaque resultou na morte de quatro deles.

Leia também: Pará transfere mais de 800 presos para evitar vingança contra criminosos do PCC

Os mortos são Werik de Sousa Lima, José Ítalo Meireles Oliveira, Dhenison de Souza Ferreira e Valdenildo Moreira Mendes. Todos os presos estavam sendo transferidos do Centro de Recuperação de Altamira para outras unidades prisionais depois do massacre que resultou na morte de 58 presos, sendo 16 decapitados.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Pará (Segup), o veículo seguia exigências feitas pelo Departamento Penitenciário Nacional. As mortes, que envolveram detentos de uma mesma facção e que ocupavam a mesma cela em Altamira, ocorreram entre os municípios de Novo Repartimento e Marabá.