Tamanho do texto

Portaria publicada no último dia 1 orienta oficiais a não vincularem suas contas pessoais a seus cargos. Medida, no entanto, não atinge os generais

chefe do Estado Maior do Exército%2C Sérgio Etchegoyen arrow-options
Marcos Corrêa/PR - 2.1.19
Documento foi assinado no último dia 1º pelo chefe do Estado Maior do Exército, Sérgio Etchegoyen

O Exército publicou uma portaria que proíbe militares de informarem as suas patentes em redes sociais pessoais. O documento assinado no último dia 1º pelo chefe do Estado Maior do Exército, Sérgio Etchegoyen , tem como objetivo preservar a imagem da instituição.

Leia também: Na contramão de Bolsonaro, ministro anuncia mil novos radares em rodovias

Além disso, a portaria do Exército orienta oficiais e soldados a não vinculares ações da instituição em suas contas pessoais. A patente só poderá ser associada em contas pessoais em "mídias destinadas à publicação de currículos".

Há uma excessão, no entato: a medida não atinge os generais , a mais alta patente da corporação e que compõem o Alto Comando do Exército. Em outro trecho da portaria, o texto estipula regras para cada unidade militar. Por exemplo: apenas o próprio Exército Brasileiro terá contas nas cinco principais redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e Linkedin).

Leia também: Datafolha: maioria da população é contra projetos de Bolsonaro para o trânsito

Organizações militares de médio ou pequeno porte, como Colégios Militares e Academias Militares, não estão mais autorizadas a possuir contas. "Os perfis institucionais das organizações militares somente são autorizados a realizarem compartilhamento de postagens de perfis institucionais de órgãos da administração pública e de órgãos de imprensa oficiais".

A ausência da patente no Exército em perfis pessoais pode atingir o interesse de militares que querem se lançar na política. Embora a portaria não trate do tema, o assunto já abriu espaço para um debate interno.

Leia também: Bolsonaro considera taxa em Fernando de Noronha "roubo" e diz que irá revê-la

O jornal O Globo questionou a instituição, por exemplo, quais as punições cabíveis para o militar que não atender as novas determinações. Em nota, o Centro de Comunicação do Exército reforçou trechos da portaria e que deve-se respeitar "o prescrito no Estatuto dos Militares e no Regulamento Disciplinar do Exército, além do ordenamento jurídico vigente".