Tamanho do texto

Passageiros enfrentaram filas, desorientação e estações e transferências fechadas pela manhã; SPTrans garante que serviço de ônibus não foi afetado

estação
Sara Baptista/ iG São Paulo
Transporte público opera parcialmente durante a greve geral nesta sexta-feira em São Paulo

Motoristas e passageiros enfrentaram uma manhã de dificuldades para se locomover na região metropolitana de São Paulo devido aos  transtornos provocados pela greve geral em protesto contra a reforma da Previdência, principal bandeira econômica do governo Jair Bolsonaro (PSL).

Apesar de decisão judicial proibindo funcionários do Metrô e da CPTM de cumprirem a promessa de paralisação total durante 24 horas, a operação da maioria das linhas foi restringida ao longo da manhã, provocando filas, desorientação e atrasos para os passageiros.

As principais linhas do Metrô tiveram operação parcial pela manhã. Na linha 1-Azul, os passageiros só podiam fazer o trajeto entre as estações Saúde e Luz. Na linha 2-Verde, a operação foi da Vila Madalena até o Alto do Ipiranga – onde muitos passageiros se mostravam perdidos, sem saber como seguir viagem. Na linha 3-Vermelha, a circulação de trens foi da estação Marechal Deodoro à Penha.

A linha 15-Prata do monotrilho está totalmente paralisada nesta sexta-feira, enquanto as linhas 4-Amarela e 5-Lilás, cuja operação é de responsabilidade de concessionárias, operam normalmente. De acordo com o Metrô, a ampliação das operações só será avaliada a partir das 14h, quando ocorre a troca de turno dos funcionários.

Leia também: "Achei que teria greve de verdade", brinca passageira em estação de trem

Na estação Tatuapé, na zona leste da capital, houve longas filas (indo até para fora da estação) de passageiros à espera da abertura da transferência da linha 2-Vermelha do Metrô para a linha 12-Safira da  CPTM , o que estava prometido para ocorrer às 10h. O combinado, no entanto, não foi cumprido, e a transferência seguiu autorizada apenas na estação Brás.

"Só para chegar ao Tatuapé de ônibus , eu demorei 50 minutos. Depois fiquei mais 25 minutos na fila para conseguir entrar no Metrô", relatou o estudante Fabiano Agostinho Pereira, 24 anos, que mora na Penha (zona leste) e trabalha na Conceição (zona sul).  "Só Deus sabe a hora que vou chegar no trabalho."

"Esse povo não tem o que fazer e fica atrapalhando quem vai trabalhar", reclamou a operadora de telemarketing Marcela Teixeira, de 20 anos. Ela costuma sair de ônibus de Diadema, no ABC Paulista, até o Jabaquara e pega o Metrô até o Anhangabaú, onde trabalha. Hoje, com a estação Jabaquara fechada, ela precisou pedir um motorista pelo aplicativo Uber até a Saúde e disse que demorou muito mais por conta do trânsito.

Muitos optaram por sair de carro nesta sexta-feira (14) para evitar o caos do transporte público. O resultado foi uma manhã de congestionamento acima da média. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a capital paulista registrava 90 quilômetros de filas por volta das 11h desta manhã, quando a média para o dia e horário fica entre 48 e 72 quilômetros.

Os piores congestionamentos se deram nos principais eixos viários da cidade. A Marginal Tietê teve mais de dez quilômetros de anda e para tanto no sentido Castelo Branco como no sentido Airton Senna. Também foi difícil a vida do motorista que seguia pelo corredor Norte-Sul e pela Radial Leste nesta manhã.

Ônibus operam, mas passageiros precisam ter paciência

ônibus
Marina Teodoro/iG São Paulo - 14.6.19
Passageiros pegam ônibus na região central de São Paulo; SPTrans garantiu frota completa durante greve

A SPTrans, órgão responsável pela operação de ônibus na cidade de São Paulo , assegurou que a operação nesta sexta-feira conta com frota total de veículos e que todos os 29 terminais municipais estão com operação normal, sem nenhuma interrupção nos serviços. 

A reportagem do iG visitou os terminais de ônibus de Pinheiros (zona oeste), Santana (zona norte) e Santo Amaro (zona sul). Neste terceiro, uma funcionária explicou que os motoristas não aderiram à greve com medo de serem multados. Mais cedo houve manifestação no terminal, o que provocou atraso de cerca de meia hora na saída dos ônibus, segundo relatou a mesma funcionária.

Muitas pessoas ficaram com a cabeça quente por conta dos transtornos provocados pelas paralisações. Em frente à estação Luz, na região central, o corretor de imóveis Rogério Dantas, 38 anos, estava impaciente e cobrava pressa de todos os passageiros que paravam para pedir informações, atrasando a partida de seu ônibus, com destino a Santana (zona norte).

"Estou tendo que pegar um ônibus que vai demorar muito mais do que o Metrô. Não é para ficar nervoso? Se é para ter greve, que pare tudo mesmo, não só metade. Se meus colegas conseguem chegar e eu não, o patrão não vai entender que eu tive dificuldade. Vai achar que não estava nem aí", disse.

Quando Rogério gritou, outro passageiro respondeu: "É greve geral, meu parceiro. É bagunça mesmo. Tem que ter paciência. Você quer se aposentar? Então melhor não reclamar".

"As pessoas precisam entender. Eu sei que tem gente que não pode aderir à greve porque vai perder o emprego, mas se a gente não fizer alguma coisa agora, não vai adiantar chorar lá na frente. Tem que ter paciência. Hoje o dia vai ser de dificil acesso mesmo, fazer o que. É por uma causa nobre", corroborou o metalúrgico Orlando Cruz, de 27 anos.

Leia também: Doria critica greve e diz que hoje é "dia de trabalho para o brasileiro de bem"

Confira imagens da manhã de greve em São Paulo:

Acompanhe a greve geral em tempo real: