Tamanho do texto

Os atingidos que já recebem benefícios sociais receberão um salário mínimo por um ano; o pagamento não provocará o cancelamento do Bolsa Família

Agência Brasil

Bombeiros recebem homenagem na plenária da Câmara
Michel Jesus/Câmara dos Deputados
No início do ano, a Câmara dos Deputados realizou uma homenagem às vítimas de Brumadinho e aos bombeiros que atuaram na tragédia

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (4) a Medida Provisória (MP) 875/19, que autoriza o pagamento de auxílio emergencial de um salário mínimo (R$ 998), por 12 meses, para famílias que recebem benefícios sociais em Brumadinho (MG). 

Leia também: MP aciona Vale por danos socioeconômicos em Brumadinho e pede indenização

O texto da MP previa originalmente autorização do pagamento de um auxílio emergencial de R$ 600 aos atingidos de Brumadinho , em parcela única, mas foi ampliado pelos parlamentares.

Segundo o texto do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), o pagamento do auxílio emergencial não provocará o cancelamento do cadastro das famílias atendidas pelo Programa Bolsa Família , pelo Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC) e pela Renda Mensal Vitalícia.

Leia também: Expedição no Rio Paraopeba atesta que rejeitos não chegaram ao Rio São Francisco

Durante a votação no plenário, os deputados também aprovaram uma indenização a bombeiros militares que participaram das operações de busca de vítimas da tragédia da Vale . O benefício será direcionado aos profissionais que desenvolverem doenças decorrentes de sua exposição a dejetos minerais comprovadas por acompanhamento de sua saúde ao longo de 20 anos.

Pelo texto, esses profissionais terão direito a indenização em casos de afastamento temporário ou invalidez permanente. O valor varia de 20 a 100 vezes o valor do salário da época em que foi detectada a doença.

Leia também: Quatro meses depois, bombeiros continuam trabalhando nos resgates de Brumadinho

Brumadinho foi atingida pelo rompimento de uma barragem da mineradora Vale em janeiro deste ano. A tragédia provocou a morte de 245 pessoas e mais 25 continuam desaparecidas.