Tamanho do texto

Ao todo, 26 presos foram transferidos de unidades no Amazonas para presídios federais; medida atende a uma solicitação do governo do estado

Agência Brasil

Presos colocam mãos para fora de celas indicando superlotação
Luiz Silveira/Agência CNJ - 30.5.17
Prisões do Amazonas onde aconteceram massacres estão superlotadas

Mais 17 presos foram transferidos de estabelecimentos prisionais do Amazonas para presídios federais. Segundo informou hoje (30) o governo do Amazonas, ao todo, 26 detentos deixaram presídios na cidade após serem identificados como líderes de grupos criminosos. A transferência acontece após o massacre de 55 presos em unidades de Manaus, no domingo (26) e na segunda-feira (27).

Leia também: CNJ pede explicações ao Tribunal de Justiça do Amazonas por mortes em presídios

A medida atende a uma solicitação do governo do Amazonas ao Ministério da Justiça e Segurança Pública. De acordo com o governo estadual, as primeiras nove transferências ocorreram na terça-feira (28) e realocaram  presos identificados como uma ameaça à ordem do sistema de segurança.

"Os locais para onde os presos serão transferidos ficam a cargo do Departamento Penitenciário Nacional ( Depen ). Para serem transferidos, os detentos devem atender a requisitos técnicos e jurídicos, somados aos dados de inteligência que comprovem a necessidade do envio dos mesmos para estabilizar o sistema", informou o portal do governo amazonense.

Leia também: Moro pede abertura de inquérito sobre mortes em presídios de Manaus

No último domingo (26), 15 presos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim ( Compaj ), em Manaus, foram mortos no interior do presídio. Na segunda-feira (27), outros 40 presos foram mortos na mesma unidade e em outros três estabelecimentos prisionais da capital: Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat); Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM 1) e Unidade Prisional do Puraquequara (UPP).

As quatro unidades são administradas em sistema de cogestão com uma empresa privada, a Umanizzare Gestão Prisional e Serviços, que, nos últimos quatro anos, recebeu cerca de R$ 836 milhões pela prestação dos serviços. Por determinação do governador Wilson Lima, o contrato com a empresa, que vence neste sábado (1º), não será renovado, embora ela não possa ser impedida de participar de uma futura licitação.

Nesta quinta-feira, 73 agentes da Força-tarefa de Intervenção Penitenciária, do governo federal, começaram a atuar nos estabelecimentos prisionais do Amazonas. Outros dez agentes já estavam na capital do estado desde a noite de terça-feira (28).

Leia também: PF aponta negociação de secretário de Segurança do AM com chefe de facção

Os agentes vão reforçar a guarda, vigilância e custódia de presos no sistema penitenciário amazonense. O efetivo atuará em conjunto com as forças de segurança locais, cabendo ao governo do Amazonas supervisionar e dar todo o apoio logístico necessário para a execução das atividades e serviços.