Tamanho do texto

Mulher andou quase dois quilômetros carregando marido dentro de carrinho de mão para que ele recebesse atendimento em hospital no Rio; de acordo com acompanhante, unidade não fornecia ambulância para buscar o paciente

mulher carrega marido em carrinho de mão
Reprodução/Youtube
Em vídeo, mulher carregando carrinho de mão aparece criticando falta de Samu em hospital no Rio

Uma mulher carregou o marido em um carrinho de mão por quase dois quilômetros até um hospital em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. O homem havia sido diagnosticado com tumor no cérebro e, na ausência do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) na cidade, a mulher decidiu encontrar uma alternativa para socorrer o marido.

Leia também: Vídeo flagra momento em que homem brinca com cobra, é picado e morre na Bahia

O caso, que aconteceu nessa terça-feira (9), chamou a atenção dos moradores da região que gravaram um vídeo do momento em que, com uma capa de chuva, a mulher chega ao hospital , localizado no bairro Jardim Esperança, carregando o marido em um carrinho de mão forrado com um colchão. "Vocês não têm ambulância pra buscar o paciente em casa. Olha! No carrinho de mão eu trouxe!", fala a mulher.

Segundo os moradores, a mulher saiu da Rua Rio de Janeiro , no bairro Jardim Peró e caminhou 1,7 quilômetro até a unidade de saúde. A decisão de usar o carrinho de mão teria sido tomada depois que a moradora foi pessoalmente até o Hospital de Emergência perguntar pelo serviço, notando que não conseguiria uma ambulância para prestar atendimento.

Leia também: Detento com dreno no pulmão foge pela janela de hospital usando corda de tecidos

Em nota, a Prefeitura informou que a mulher não realizou os procedimentos corretos para a disponibilização do atendimento. "A acompanhante não procurou o Setor Administrativo, responsável pela solicitação da ambulância, mas o Setor de Emergência, que não faz esse atendimento. Além disso, ela não formalizou o pedido, não explicou a necessidade, tampouco de quem se tratava, já que o paciente foi atendido naquela unidade em outras situações, mesmo a cidade não dispondo do serviço de Samu - que é a responsável por agir nestas situações", escreveu.

Leia também: Homem é preso após estuprar paciente dopada em hospital no litoral de São Paulo

Ainda segundo a Prefeitura, o paciente que chegou no carrinho de mão foi atendido e internado no hospital  onde está recebendo hidratação e o acompanhamento médico necessário, já que o homem apresenta uma doença terminal e não tem previsão de alta médica.