Jair Bolsonaro não exigiu reciprocidade dos países beneficiados e brasileiros ainda precisarão de visto
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Jair Bolsonaro não exigiu reciprocidade dos países beneficiados e brasileiros ainda precisarão de visto

O presidente Jair Bolsonaro assinou, em Washington, um decreto que acaba com a obrigatoriedade de visto para cidadãos de Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão que queiram visitar o Brasil. O decreto foi publicado nesta segunda-feira (18), em uma edição extra do "Diário Oficial da União".

Leia também: Bolsonaro faz visita não programada à CIA

O decreto editado por Jair Bolsonaro entra em vigor no dia 17 de junho deste ano. A medida vale apenas para um dos lados, ou seja, cidadãos brasileiros continuam precisando de visto para entrar nos quatro países.

De acordo com o Ministério do Turismo , a decisão não prejudica o "princípio da reciprocidade", pois a dispensa do visto foi adotada com o objetivo de incentivar a geração de emprego e renda no Brasil.

"A isenção do visto de forma unilateral é um aceno que fazemos para países estratégicos no sentido de estreitar as nossas relações. Nada impede que essas nações isentem os brasileiros dessa burocracia num segundo momento", informou o Ministério.

Você viu?

Leia também: Bolsonaro tem jantar com embaixador brasileiro e encontro com Olavo, nos EUA

A pasta lembrou também que uma abertura maior já vinha sendo aplicada aos países beneficiados pelo decreto. Os cidadãos de Estados Unidos, Austrália, Japão e Canadá já utilizam o visto eletrônico, que funciona como uma maneira de acelerar a permissão de entrada no Brasil.

"Com essa iniciativa [do visto eletrônico], houve o aumento de cerca de 35% no pedido de visto desses países para o Brasil, em relação a 2017, o que, caso seja convertido em viagem efetivamente, poderá resultar em um impacto de US$ 1 bilhão", disse o governo.

O deputado federal e filho do presidente brasileiro, Eduardo Bolsonaro, acompanha a viagem do pai nos Estados Unidos e  falou sobre a medida dias antes de ela ser anunciada. Ele defende que a liberação de visto aconteça apenas do lado brasileiro, uma vez que acredita que a liberação de visto para a entrada nos Estados Unidos pode ser uma brecha para que brasileiros morem ilegalmente no país norte-americano.

“Será que estou falando um grande absurdo ao dizer que, sem a necessidade de visto, várias pessoas entrariam nos EUA de maneira ilegal e ilegalmente permaneceriam lá? Acredito que não”, disse o deputado. “A pergunta que faço é a seguinte: quantos americanos vão vir morar ilegalmente no Brasil com essa brecha? Agora vamos fazer a pergunta contrária: e se os EUA permitirem que o brasileiro entre lá sem visto? Quantos brasileiros vão se passar por turista para vir morar ilegalmente aqui?”, completou o filho de Jair Bolsonaro .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários