Tamanho do texto

Secretaria de Saúde de Pernambuco divulgou balanço de atendimentos nesta segunda (11); Polícia divulgou retrato falado de mais um suspeito de ataques

Retratos falados de supostos autores de ataques com agulhas foram divulgados pela Polícia Civil
Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco
Retratos falados de supostos autores de ataques com agulhas foram divulgados pela Polícia Civil

Chegou a 273 o número de vítimas de agulhadas durante o carnaval no grande Recife. O número divulgado nesta segunda-feira (11) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) refere-se a quantidade de pessoas que deram entrada que no Hospital Correia Picanço, na Zona Norte da capital pernambucana. Também nesta segunda, a Polícia Civil divulgou o retrato falado de um segundo suspeito de ter praticado o crime.

De acordo com as vítimas, os  ataques se deram durante os quatro dias de feriado em Recife e em Olinda. Até a sexta-feira (8), 190 pessoas haviam procurado o Hospital Correia Picanço, referência no tratamento de doenças infecto-contagiosas alegando terem sido furadas com agulhas de seringa. O número vem crescendo exponencialmente desde o fim dos festejos de carnaval.

A Polícia Civil montou uma unidade móvel em frente ao hospital, mas poucas pessoas prestaram queixa. Na semana passada, uma das pessoas que fez a denúncia conseguiu descrever o suposto autor do atentado e a polícia divulgou um retrato falado. Nesta semana, um segundo retrato falado foi divulgado. A polícia já vinha trabalhando com a hipótese de mais de um autor .

Segundo a SES, do total de pacientes que procuraram a unidade de saúde, 157 realizaram a profilaxia pós-exposição (PeP) para prevenir a infecção pelo vírus HIV . Ainda que todas as vítimas tenham passado por uma triagem, as outras 116 pessoas se recusaram a fazer o teste rápido, pré-requisito para o uso da medicação preventiva. Algumas destas já tinham passado do prazo de 72 horas pós-exposição para tomar o coquetel.

A secretaria informa, no entanto, que a possibilidade de transmissão do HIV por meio de picadas com agulhas infectadas é considerada baixa, com média 0,3% dos casos. Mesmo assim, a SES afirma que todas as pessoas vão ser monitoradas pelo hospital ou em unidades de saúde dos municípios de São Lourenço da Mata, no Grande Recife; Caruaru e Pesqueira, no Agreste e em Serra Talhada, no Sertão.

Leia também: Polícia prende mais de mil pessoas durante carnaval de São Paulo

As pessoas que procuraram os Hospital Correia Picanço nos últimos dias relataram terem sido furadas com agulhas de seringa, principalmente nos braços e nas costas. O número de casos cresceu muito depois de o ataque ter sido noticiado.