Tamanho do texto

Portaria foi publicada no Diário Oficial no mesmo dia em que membros de facções criminosas foram transferidos de São Paulo para presídios federais

Presídios federais terão regras mais rigorosas com relação a visitas aos presos
Divulgação/Depen
Presídios federais terão regras mais rigorosas com relação a visitas aos presos


O governo publicou nesta quarta-feira (13) uma portaria que impõe novas regras para visitas em presídios federais. O texto, proposto pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, permite que os presos falem com visitantes apenas em parlatórios ou videoconferência. As ações foram publicadas no Diário oficial justamente no mesmo dia em que presos ligados a facções criminosas – entre eles, Marcola – foram transferidos para penitenciárias federais.

Leia também: Doria destaca sigilo na transferência de membros do PCC a presídios federais

De acordo com o texto, as visitas em presídios federais servem para manter “laços familiares e sociais, mas precisam de supervisão”. Desta forma, a partir de agora, só poderão acontecer por “parlatório (separados por um vidro, comum nos presídios norte-americanos) ou videoconferência”. A exceção fica para presos de ótimo comportamento ou que assinaram delação premiada. Nestes casos, os encontros poderão acontecer no pátio.

No caso de visita de criança, será necessário a permanência de um adulto visitante responsável dentro do parlatório e outro fora do parlatório, podendo ser realizado revezamento quando houver mais de duas crianças.

Leia também: Líder da “Bancada da Bala” quer pasta de Segurança Pública separada da Justiça

Na mesma portaria, fica decidido que as visitas íntimas mantêm as regras estabelecidas anteriormente. Desta forma, é proibida a membros de facções criminosas ou a presos que já tentaram fugir da polícia ou de penitenciárias.

Leia também: Governo de São Paulo transfere Marcola, chefe do PCC, para presídio federal

A tendência é que com as regras mais rigorosas, a justiça consiga fechar mais acordos de delações premiadas. Além disso, aumenta o combate a facções criminosas, que utilizam visitas para obter acesso a telefones celulares e cartas de informantes que estão em liberdade.

Ainda que o texto enviado na terça-feira (12) não deixe claro se foi de propósito ou coincidência, a publicação no Diário Oficial acontece no mesmo dia em que 22 membros do PCC foram transferidos de presídios estaduais em São Paulo para presídios federais. Entre os detentos transferidos está Marcos Willians Herbas Camacho, conhecido como Marcola e apontado como principal líder da facção criminosa.