Tamanho do texto

Governador de São Paulo disse que plano para a transferência foi mantido em segredo durante 50 dias e sigilo foi crucial para o sucesso da operação

João Doria comemorou o sucesso da ação que transferiu 22 membros de facções criminosas para presídios federais
Divulgação/ Governo do Estado de São Paulo
João Doria comemorou o sucesso da ação que transferiu 22 membros de facções criminosas para presídios federais


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) confirmou a transferência de 22 presos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC), principal facção criminosa do Estado, para presídios federais. Alegando que foi cumprido uma decisão judicial, o tucano destacou o sigilo mantido durante todo o período de preparação para a ação, que foi bem sucedida nesta quarta-feira (13).

Leia também: Governo de São Paulo transfere Marcola, chefe do PCC, para presídio federal

De acordo com João Doria , a ordem de transferência de membros de facções para presídios federais partiu do Ministério Público federal ainda na gestão anterior (Márcio França), mas não tinha sido cumprida. Segundo o governador, o que se fez nesta quarta-feira foi apenas um cumprimento de uma decisão judicial que ele apoia.

“Foi um trabalho integrado da Polícia Militar, Polícia Civil, Exército, FAB, comando de operações táticas da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, além das agências de inteligência da polícia. O que fizemos foi o cumprimento de uma decisão judicial, sem temor e importante: não vazou nenhuma informação, dando maior força para a ação”, explicou Doria.

O governador adiantou que os presos serão transferidos para três diferentes penitenciárias federais. O local exato onde cada detento só pode ser informado pelo governo federal.

Leia também: Líder do PCC na fronteira com Paraguai é preso pela Polícia Federal

“O local onde cada preso vai ficar só o governo federal dispõe. Isso vale também para o Marcola (principal líder do PCC )”, disse o governador.

O sistema penitenciário federal conta com cinco presídios: em Campo Grande (MS), Mossoró (RN), Porto Velho (RR), Brasília (DF) e Catanduvas (PR).

Os detentos foram levados para o aeroporto da cidade de Presidente Prudente para serem transferidos. Sete deles tiveram o pedido de transferência expedido após o envolvimento em ataques a agentes públicos e assassinatos de rivais.

Leia também: Doria assina decreto para criar quatro novos batalhões de polícia no padrão Rota

A ajuda para transferência de detentos ligados a facções criminosas a presídios federais foi um dos pedidos dos governadores eleitos ao ministro da Justiça, Sérgio Moro. João Doria foi um dos defensores da proposta em reunião realizada antes da posse.