Tamanho do texto

Polícia Civil acredita que Ana Carolina Emídio tenha ligado para o suspeito um dia antes do crime para comprar drogas; ele está foragido desde ontem

Jovem foi perseguida dentro da universidade, foi baleada e não resistiu
Reprodução/Corpo de Bombeiros
Jovem foi perseguida dentro da universidade, foi baleada e não resistiu

Uma jovem morreu nessa segunda-feira após ser baleada dentro da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Caldas Novas. Segundo a Polícia, a vítima ligou para o suspeito um dia antes com o intuito de comprar drogas. 

Leia também: Adolescente morre afogado durante festa universitária no Amazonas

Ana Carolina Emídio, de 20 anos, estava do lado de fora da universidade quando o suspeito começou a atirar, por volta das 6h20. De acordo com as testemunhas, a jovem correu para dentro da instituição, mas o homem continuou atirando e a perseguindo com uma moto. 

O delegado acredita que cerca de 10 tiros tenham sido disparados. O atirador conseguiu fugir do local em sua moto. A jovem foi atingida no braço e na barriga. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi acionada e a levou até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Caldas Novas, mas ela não resistiu. 

A Polícia Civil suspeita que Ana Carolina tenha ligado para o suspeito horas antes para comprar drogas. Um amigo que estava com a vítima no momento do crime informou a corporação que ela era usuária. 

Leia também: Jovem é espancada e morta pelo marido durante visita íntima em prisão, em SP

De acordo com a testemunha, Ana Carolina combinou a compra, pediu para que o amigo entregasse R$ 50 ao suspeito e pegasse a mercadoria, enquanto ela esperava na quadra de baixo.

Quando o homem viu que não era Ana, perguntou por ela e ameaçou o rapaz. Em seguida, ele seguiu para onde ela estava. A polícia deve ouvir mais duas testemunhas do caso, seguranças que trabalham em locais próximos à universidade. Além disso, a corporação tenta localizar imagens de câmeras de segurança da rua para ajudar na investigação. 

Em sua página no Facebook, a UEG informou que Ana Carolina não possuía vínculo com a universidade e que a vigilante que estava no local na hora do crime tomou todas as providências necessárias para socorrer a vítima.

Leia também: Líder do PCC na fronteira com Paraguai é preso pela Polícia Federal

Na nota, a instituição afirma estar completamente consternada com o ocorrido, e que se sensibiliza com os familiares da jovem . "Agradecemos a vigilante por sua presteza ao lidar a ocorrência, ao Corpo de Bombeiros e também aos policiais militares pelo pronto-atendimento e aguardamos mais informações a respeito do ocorrido. A família UEG se sensibiliza neste momento tão triste e dessa forma expressa os nossos sentimentos aos familiares da vítima", diz a nota. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas