Tamanho do texto

Até o momento, foram confirmadas 121 mortes e 226 pessoas ainda estão desaparecidas; autoridades não sabem dizer quando as buscas devem acabar

Equipes de resgate em Brumadinho em Minas Gerais
Ricardo Stuckert / Fotos Públicas
Equipes de resgate em Brumadinho em Minas Gerais

O trabalho de busca por vítimas do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho, Minas Gerais, chega ao décimo dia neste domingo (3).

Leia também: Sobrevivente de Brumadinho que fugiu em caminhonete conta à polícia como escapou

A tragédia, que ocorreu no último dia 25, provocou a morte de ao menos 121 pessoas, conforme os últimos números informados pela Defesa Civil de Minas Gerais. O órgão atualizou neste domingo o número de vítimas identificadas, que chegou a 107. Por outro lado, ainda há 226 pessoas desaparecidas em meio à lama que tomou a cidade de Brumadinho .

Cerca de 200 bombeiros participam das buscas diariamente. Desde o ocorrido, mais de mil militares se envolveram nos trabalhos, incluindo tropas de São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas, Espírito Santo, Paraná, Maranhão, Santa Catarina, além de uma equipe de 136 militares do exército de Israel.

Segundo já adiantou o Corpo de Bombeiros Militar do estado, não há como prever uma data de encerramento das buscas por vítimas.

Neste sábado (2), além das buscas, começaram as vistorias em barragens do estado e foi finalizada a 1ª estrutura de contenção no rio Paraopeba.

Leia também: 

Número de mortes em Brumadinho sobe para 121; equipes buscam 226 desaparecidos

Gastos do governo em Brumadinho serão cobertos pela Vale

Tragédia em Brumadinho
Agência Brasil / Isac Nóbrega/PR
Tragédia em Brumadinho

A Advocacia-Geral da União (AGU) informou que vai  cobrar da Vale os custos das operações do resgate. Segundo a AGU, todo o gasto que o governo federal tiver por conta do desastre é passível de cobrança judicial.

“Toda a mobilização do Exército, da Defesa Civil, dos ministérios da Saúde e do Meio Ambiente, isso vai ser computado e vai ser passível de cobrança judicial por parte da União, das autarquias e fundações em relação à empresa Vale”, garantiu a AGU.

A mineradora Vale, responsável pela barragem em Brumadinho , instalou neste sábado (2) a primeira membrana no Rio Paraopeba. Conforme informações divulgadas pela empresa, a barreira foi colocada próximo à captação de água da cidade de Pará de Minas, a cerca de 40 quilômetros de Brumadinho.

O sistema de captação de Pará de Minas será protegido por três barreiras de retenção. As outras duas devem ser instaladas até hoje.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.