Tamanho do texto

Em depoimento à Polícia Civil, Sebastião Gomes diz que uma locomotiva foi empurrada pela lama e entrou debaixo da picape, onde estava com um amigo; isso fez com que eles não fossem encobertos pela onda; entenda

Sobreviventes de Brumadinho conseguem escapar em picape no momento em que a barragem se rompe
Reprodução/TV Globo
Sobreviventes de Brumadinho conseguem escapar em picape no momento em que a barragem se rompe

No dia 25 de janeiro, no momento em que a barragem da Vale na cidade de Brumadinho , em Minas Gerais, se rompeu, o operador mantenedor de saneamento Sebastião Gomes e o amigo Elias estavam cuidando do tratamento de água da Mina do Feijão. Com de uma picape, os dois conseguiram escapar da tragédia.

“Achei que fosse um pneu gigante que tivesse estourado”, conta ele em depoimento à Polícia Civil, exibido pela TV Globo, sobre o momento em que ouviu um grande estrondo vindo da barragem em Brumadinho .

O vídeo que mostra o momento em que os sobreviventes escapam da onda de lama foi exibido pela primeira vez pela TV Bandeirantes. Veja:

Ele conta que ouviu um segundo barulho e se deparou com uma nuvem de poeira, junto à vários vagões carregados de minério vindo em sua direção. Só então ele entendeu o que tinha acontecido e percebeu que se tratava do rompimento.

Um colega, que correu para um caminhão, disse para ele ir até a caminhonete branca onde Elias estava tentando fugir. Mesmo assim, a caminhonete foi atingida pela onda de lama.

Neste momento, uma locomotiva vinha em direção ao carro, deixando a dupla desesperada. O operador conta que ambos começaram a rezar, mas que, para Sebastião, foi exatamente a locomotiva que salvou suas vidas. Ela foi empurrada pela lama para debaixo da caminhonete, que foi jogada pra cima e, por isso, os sobreviventes não foram encobertos.

Os dois ainda saíram do carro para ajudar outros amigos, cavando a lama com as mãos e com a ajuda de partes da lataria de um trator.

Depois de todo o susto, os funcionários da Vale tentaram usar o rádio, na tentativa de pedir socorro, porém as linhas de frequência estavam congestionadas. Ao conseguir ligar para a filha, foi possível passar a localização de onde estavam. A filha entrou em contato com a empresa, que voltou a falar com Sebastião e logo uma equipe de bombeiros chegou para o resgate.

Leia também: Prefeito reclama da Vale e admite que Brumadinho duvidou de risco de tragédia

Buscas em Brumadinho continuam

Equipes de resgate em Brumadinho em Minas Gerais
Ricardo Stuckert / Fotos Públicas
Equipes de resgate em Brumadinho em Minas Gerais

Mais uma vez hoje, oito dias depois da tragédia, as operações de resgate iniciaram por volta das 4h, antes de o sol aparecer, e devem seguir até a noite. O porta-voz do Corpo de Bombeiros, Pedro Aihara, disse que o ritmo de identificação dos corpos deve diminuir. A partir de agora, o trabalho fica mais complexo por se tratar de vestígios de mais difícil acesso abaixo da lama.

Segundo ele, as buscas entram na fase mais delicada de escavação, que exige fazer a nivelação do solo. Além disso, depois de mais uma semana do desastre, os corpos começam a entrar em decomposição.

O bombeiro admitiu que as chances de localizar pessoas com vida é “pequena”. De acordo com Aihara, não há previsão de data para encerramento os trabalhos de buscas. Ele lembrou que, no caso de Mariana, as ações prosseguiram por quatro meses.

Leia também: Brumadinho: veja vídeos de rompimentos de barragens no Brasil e no mundo

Na madrugada deste sábado (2), 60 bombeiros da Força Nacional de Segurança Pública saíram de Brasília com destino a Brumadinho para reforçar as buscas. Eles iniciam os trabalhos neste domingo (3).