Tamanho do texto

Ao cobrir a fachada do prédio com tinta rosa e quebrar janelas e portas de vidros, grupo assume ato de vandalismo e afirma ser uma ação em prol da "resistência feminista, transgênero e antifascista no Brasil" e do MST

Embaixada do Brasil em Berlim é alvo de vandalismo pela segunda vez no último mês; autoridades investigam motivação
Reprodução/DW Marcio Damasceno
Embaixada do Brasil em Berlim é alvo de vandalismo pela segunda vez no último mês; autoridades investigam motivação

Um grupo divulgou um texto em alemão assumindo a autoria do ataque à embaixada do Brasil em Berlim, na Alemanha, feito na madrugada de sexta-feira (1º). Em nota, o vandalismo é “justificado” como um ato em solidariedade à "resistência feminista, transgênero e antifascista no Brasil", ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e para marcar primeiro mês do presidente Jair Bolsonaro (PSL) no cargo.

A fachada da embaixada do Brasil em Berlim foi coberta por uma tinta rosa e teve as janelas e portas de vidro quebradas. De acordo com as câmeras de segurança do local, homens encapuzados foram os responsáveis pelo vandalismo.

Esse foi a segunda vez que o edifício foi atacado, em menos de um mês. No início de janeiro, o prédio foi manchado por uma tinta vermelha e as vidraças do andar térreo amanheceram pichadas com os dizeres: "Lutaremos contra o fascismo no Brasil". A polícia investiga se há motivação política e se ambos os ataques têm algum tipo de relação.

Leia também: Primeiro mês de governo Bolsonaro é marcado por otimismo econômico e polêmicas

Na sexta, o ataque aconteceu nas primeiras horas do dia. De acordo com a Deutsche Welle , agência de notícias da Alemanha, a polícia foi alertada por volta da 1h, por guardas de segurança, que relataram que ao menos quatro pessoas participaram da ação. Os vândalos golpearam os vidros com objetos de ferro e pintaram a fachada, provavelmente, com a ajuda de um extintor.

Ainda segundo a agência, tinta preta também foi lançada contra uma das laterais do prédio e respingos podem ser vistos em outras partes do edifício, como em uma das colunas frontais e numa caixa metálica destinada ao serviço de correios na embaixada. Além das cores, o ato de vandalismo deixou 16 janelas quebradas e ninguém se feriu.

De acordo com o jornal Berliner Zeitung , os danos materiais do ataque podem chegar a custar cerca de 100 mil euros (o equivalente a R$ 421 mil). O caso vem sendo investigado pela Staatsschutz de Berlim, órgão encarregado de investigar delitos de motivação política.

A primeira vez que a embaixada foi atacada foi no dia 5 de janeiro. Na ocasião, a fachada, o piso externo e colunas externas do edifício também foram pintadas com tinta vermelha, enquanto que a pichação foi feita em cor branca.

Leia também: Bolsonaro fará apelo ao Congresso por reforma e por novas regras para barragens

"A embaixada do Brasil em Berlim foi alvo de ato de vandalismo. As autoridades policiais foram imediatamente contatadas e estão investigando o ocorrido", diz o curto comunicado publicado hoje pela representação diplomática em sua página na internet.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.