Tamanho do texto

Missão com 136 militares de Israel se encerra nesta quinta-feira após trazer equipamentos pesados e auxiliar na localização de ao menos 15 vítimas

Equipe de militares de Israel desembarcou no Brasil no início da semana para auxiliar nas buscas em Brumadinho
Israel Defense Forces
Equipe de militares de Israel desembarcou no Brasil no início da semana para auxiliar nas buscas em Brumadinho

A missão de  militares israelenses que veio ao Brasil nesta semana para auxiliar nos regates às vítimas da tragédia de Brumadinho (MG) deixa o País nesta quinta-feira (31). As  buscas na área atingida pela lama jorrada pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão, da Vale, continuam agora apenas com equipes federais e agentes da Defesa Civil de Minas Gerais e bombeiros do próprio estado e também de outras unidades da federação.

Pelo Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) cumprimentou a ajuda de Israel, cedida pelo premiê do país, Benjamin Netanyahu. "As bravas tropas israelenses, cedidas pelo primeiro-ministro Netanyahu, encerram hoje a missão no Brasil. Agradeço, em nome do povo brasileiro, ao Estado de Israel pelos serviços prestados em Brumadinho -MG em parceria com nossos guerreiros das Forças Armadas e bombeiros", escreveu Bolsonaro, que se recupera de cirurgia em hospital em São Paulo.

Os israelenses desembarcaram no Brasil no início desta semana munidos de 16 toneladas de equipamentos para auxiliar nas buscas. A equipe de 136 militares formada por médicos, engenheiros, soldados, bombeiros e socorristas atuou diretamente nas operações de buscas em áreas consideradas de difícil acesso: um ônibus que estava soterrado na lama e o antigo refeitório para os funcionários da Vale , que ficava bem próximo à barragem, mas que acabou arrastado por cerca de 800 metros.

De acordo com balanço divulgado pelos israelenses na terça-feira (29), até então as equipes estrangeiras haviam conseguido recuperar 15 corpos da lama . O total de mortes oficialmente confirmadas até agora é de 99, enquanto ainda há ao menos 259 pessoas desaparecidas.

Os militares que deixam hoje Minas Gerais integran a chamada Unidade Nacional de Resgate das Forças de Defesa de Israel (FDI), grupamento criado em 1984 e que possui experiência de atuação em ao menos 25 desastres ao redor do mundo. A tragédia de Brumadinho , no entanto, configurou desafio novo para os israelenses, uma vez que eles estão habituados a atuar em terrenos mais estáveis que a lama da Vale, como áreas bombardeadas ou afetadas por terremotos.

Leia também: Filha de mãe brasileira, tenente israelense Amit Levi tem 21 anos e atua nas buscas em Brumadinho

Veja mais imagens dos resgates em Brumadinho: