Tamanho do texto

Cliente de posto de gasolina trocou tiros com criminosos que tentavam assaltar o estabelecimento; onda de violência no estado chega ao seu 23º dia

Criminosos estão queimando veículos e estabelecimentos comerciais no Ceará, por ordens vindas de dentro dos presídios
Reprodução/TV Verdes Mares
Criminosos estão queimando veículos e estabelecimentos comerciais no Ceará, por ordens vindas de dentro dos presídios

Ao menos seis pessoas morreram em um tiroteio entre criminosos e policiais na manhã desta quinta-feira (24), em Palmácia, no Ceará. Na 23º noite seguida de violência no estado, um homem também trocou tiros com criminosos para impedir um ataque a um posto de combustível. 

Leia também: Criminosos queimam van e posto de combustível no 22º dia de ataques no Ceará

A suspeita é de que o grupo estivesse cometendo assaltos na cidade. Ainda não se sabe se a ação tem ligação direta com a onda de ataques criminosos que atinge o Ceará desde o dia 2. Segundo informações obtidas pela Agência Brasil  junto à Delegacia Regional de Baturité, município a cerca de 50 quilômetros do local da ocorrência, os seis homens trocaram tiros com policiais militares que os abordaram.

Policiais também foram feridos durante o tiroteio, mas ainda não há confirmação de quantos e nem do estado de saúde deles. A secretaria estadual da Segurança Pública e Defesa Social e a Polícia Militar ainda não se pronunciaram sobre a ocorrência.

Durante a noite de ontem, criminosos tentaram atacar um posto de combustível no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza, por volta das 22h. Seis homens chegaram ao local com garrafas pet cheias de líquido inflamável e anunciaram um assalto.

Um cliente do estabelecimento iniciou uma troca de tiros com os suspeitos, que jogaram as garrafas e fugiram. O posto não pegou fogo e ninguém ficou ferido. Parte dos criminosos se escondeu em um terreno baldio e outros fugiram em um carro, mas nenhum foi preso.

Ainda nesta noite, o esquadrão antibombas da PM e a Força Nacional foram acionadas por suspeita de bomba na Rodovia BR-166, no Bairro Pedras, em Fortaleza. O material estava dentro de uma sacola ao lado de um poste de iluminação, mas os agentes constataram que o conteúdo não era explosivo. 

Leia também: Criminosos incendeiam creche e estação de energia no 21º dia de ataques no Ceará

A onda de violência no Ceará começou por ordens dadas de dentro dos presídios , após o governo criar a Secretaria de Administração Penitenciária e iniciar uma série de ações para combater o crime. O novo secretário, Luís Mauro Albuquerque, pediu a fiscalização e apreensão de celulares, drogas e armas de dentro das celas.

Em resposta aos  ataques , o Ministério da Justiça enviou mais um reforço para o estado. Dessa vez, novos 355 agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram enviados ao estado e chegaram na terça-feira (15). Eles estão trabalhando para evitar novas ações criminosas contra viadutos, torres de transmissão de energia e rodovias do estado.

Leia também: Criminosos incendeiam ônibus e caminhão de lixo no 20º dia de ataques no Ceará

O governo do  Ceará  também convocou 1,2 mil policiais militares da reserva para combater os ataques, eles tiveram até quarta-feira (16) para se apresentar voluntariamente e receberão uma ajuda de custo de R$ 1,3 mil além do salário de aposentados para contribuir com o patrulhamento enquanto a onda de violência perdurar. Segundo a própria Secretaria de Segurança Pública, 800 se apresentaram e 150 já começaram a trabalhar na quinta-feira (17). Desde o dia 2 de janeiro, já são mais de 200 atentados confirmados no estado.