Tamanho do texto

Médium foi considerado foragido na tarde deste sábado (15) após não ser encontrado; sua prisão preventiva foi decretada na última sexta-feira (14)

Defesa afirma que João de Deus se entregará à Justiça amanhã (16)
Cesar Itiberê/ Fotos Públicas
Defesa afirma que João de Deus se entregará à Justiça amanhã (16)


O médium João de Deus, acusado por mais de 330 denúncias de abusos sexuais contra mulheres, deve se entregar à Justiça neste domingo (16), de acordo com sua defesa. As informações foram apuradas pelo jornal O Estado de S. Paulo .

Segundo a publicação, João de Deus deve se entregar amanhã em Goiás. A data foi informada no final da tarde deste sábado (15), após o líder espiritual ter sido considerado foragido pelo Ministério Público de Goiás (MPGO) e ter seu nome incluído na lista da Interpol.

A prisão preventiva de João de Deus foi decretada ainda na manhã de sexta-feira (14) após a Justiça aceitar o pedido do Ministério Público de Goiás que já havia recebeu mais de 330 denúncias de mulheres que se dizem vítimas de abuso sexual por parte do líder espiritual João Teixeira de Faria, o João de Deus. Os relatos chegaram de pessoas de  s eis países diferentes, além de 13 estados do Brasil e do Distrito Federal .

Horas antes do pedido de prisão, o líder espiritual esteve na  Casa Dom Inácio de Loyola  pela primeira vez desde que começaram a surgir denúncias contra ele . O médium permaneceu no local por apenas 10 minutos e se disse inocente. "Meus queridos irmãos e minhas queridas irmãs. Agradeço a Deus por estar aqui. Ainda sou irmão de Deus, mas quero cumprir a lei brasileira porque estou na mão da lei brasileira. João de Deus ainda está vivo", declarou.

De acordo com o coordenador da força-tarefa do MPGO, responsável por apurar as denúncias contra João de Deus , promotor Luciano Miranda Meireles, há indícios de que o líder espiritual tenha praticado diversos tipos de crimes sexuais, como estupro, estupro de vulnerável (quando cometido contra menor de 14 anos ou quem esteja em situação de vulnerabilidade) e violação sexual mediante fraude. Os dois primeiros crimes, segundo observou Mendes, são considerados hediondos, sendo o estupro de vulnerável o crime com maior pena prevista, podendo resultar em condenação de até 15 anos de reclusão.

Investigadores apuram que João de Deus sacou R$ 35 milhões de sua conta

Pela primeira vez depois das denúncias de crimes sexuais, João de Deus apareceu  na Casa Dom Inácio de Loyola na quarta-feira (12)
Marcelo Camargo/ABr
Pela primeira vez depois das denúncias de crimes sexuais, João de Deus apareceu na Casa Dom Inácio de Loyola na quarta-feira (12)


Investigadores do caso do líder espiritual  identificaram movimentações bancárias recentes nas contas do médium . Segundo informações do portal O Globo , até quarta-feira (12) já haviam sido sacados R$ 35 milhões em seu nome.

De acordo com o site, a descoberta destas operações financeiras acelerou o processo de ordem de prisão de João de Deus . O dinheiro teria sido retirado de aplicações que o homem tem em instituições bancárias. 



    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.