Tamanho do texto

Sargento fazia parte de grupo de 14 PMs suspeitos de desviar e revender carga roubada; caso está sendo investigado como um fato isolado

Operação resultou na prisão de 12 PMs do Batalhão da PM de São Gonçalo (7º BPM), suspeitos de desvio de carga roubada
Reprodução
Operação resultou na prisão de 12 PMs do Batalhão da PM de São Gonçalo (7º BPM), suspeitos de desvio de carga roubada

O sargento Luiz Cáudio de Araújo Pereira da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, suspeito de participar de desvio de carga roubada, cometeu suicídio nesta quinta-feira (13). Segundo a PM, o policial estava de serviço e, ao ser informado preliminarmente sobre sua prisão, ele se matou no banheiro do batalhão.

Leia também:Polícia cumpre primeiros mandados de prisão ligados à morte de Marielle Franco

A operação conjunta das polícias Civil e Militar iniciada hoje resultou na prisão de 12 PMs do Batalhão da Polícia Militar de São Gonçalo (7º BPM), suspeitos de desvio de carga roubada . Um suspeito continua foragido. De acordo com as investigações, o grupo desviou e revendeu quase 12 toneladas de carne, no valor de R$19 mil.

O caso aconteceu em maio deste ano, quando os agentes foram acionados para fazer a interceptação de uma carga que foi roubada na comunidade de Boa Vista, em São Gonçalo. Ao chegarem ao local, encontraram os criminosos que fizeram o roubo, mas eles fugiram e deixaram para trás todo o carregamento.

Em vez de levar a mercadoria para a delegacia, os policiais militares acionaram carros particulares e até mesmo um caminhão baú para desviar o produto apreendido. Apenas 180 quilos de carne foram apresentados à Polícia Civil sob a alegação de que o restante da carga já havia sido levado pelos criminosos.

Parte da mercadoria foi encontrada em um mercado em Inoã, em Maricá, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro . Os investigadores, agora, buscam os receptadores do restante da carga que foi roubada. O delegado assistente Allan Duarte explica que, inicialmente, o caso está sendo investigado como um fato isolado.

Leia também: Homem que fez ameaça a Bolsonaro é preso por tráfico pela polícia em Pernambuco

“A gente não sabe se houve um ajuste prévio entre eles ou se foi uma questão de momento. Existe a possibilidade de terem mais policiais militares envolvidos. A gente já identificou alguns que podem estar envolvidos, mas não pedimos a prisão deles ainda por uma questão de cautela. A investigação vai seguir. Outras pessoas certamente serão indiciadas e presas”, explica.

O crime foi constatado pela polícia por acaso, durante a investigação da morte de um PM que estava de folga e fazia a escolta de uma carga. Ele se deparou com uma quadrilha que roubava cargas e foi baleado.

A Polícia Civil começou a levantar informações sobre a quadrilha em questão e se deparou com imagens de câmera de segurança que revelaram o desvio da mercadoria.

“A gente sabia a quantidade de carga que tinha porque tivemos acesso às notas fiscais e aos valores. Quando a gente fez uma pesquisa do Registro de Ocorrência feito na delegacia, a gente achou que havia um abismo muito grande entre a carga que tinha sido recuperada e a que foi apresentada na delegacia. Isso nos causou estranheza e a investigação começou a partir daí”, detalha Duarte.

Leia também: Polícia do DF investiga casal que segurou menino de 6 anos para sofrer agressões

Os acusados responderão pelo crime de peculato de desvio e, se forem condenados, podem pegar de 3 a 15 anos de prisão. Eles também podem ser expulsos da corporação por conta do desvio de carga roubada .

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.