Tamanho do texto

Menino sofreu agressão por casal durante partida de futsal em condomínio na Octogonal, em Brasília; garoto foi imobilizado para receber soco no rosto

Agressão a menino de 6 anos é flagrada por câmeras de segurança de condomínio
Reprodução
Agressão a menino de 6 anos é flagrada por câmeras de segurança de condomínio

Um garoto de seis anos de idade foi agredido por um casal durante partida de futsal entre crianças na quadra de um condomínio fechado, na Octogonal, em Brasília. O caso aconteceu no último domingo (9) e as câmeras de segurança do local flagraram o momento da ação, motivada por um simples mal-entendido.

Leia também: Governo cria plano nacional para combater a violência doméstica em mulheres

As imagens da agressão mostram as crianças na quadra jogando bola, às 17h25, quando um dos meninos tenta fazer um drible e cai. Pouco tempo depois, o pai da criança ferida aparece e segura os braços de outro garoto, imobilizando-o, enquanto ordena que a criança que caiu bata no rosto do colega. Logo após, uma mulher surge e empurra o garoto imobilizado, que cai no chão.

As crianças ao redor ficam afastadas, próximas à grade – e algumas delas até chegam a chorar pelo ocorrido. A tia do menino que sofreu violência, Jucinea das Mercês Nascimento, de 43 anos, explicou ao jornal Correio Braziliense   que os pais do menino que caiu com o drible teriam achado que seu sobrinho havia batido na outra criança, que voltou ao apartamento no qual os pais estavam com inchaço e sangramento na boca.

Leia também: Bolsonaro viaja de Brasília a São Paulo para passar por nova avaliação médica

De acordo com testemunhas que estavam no local, o pai teria descido até a quadra para tirar satisfação com o garoto agredido . Um boletim de ocorrência denunciando as agressões contra o garoto de seis anos foi prestado na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que tem a posse das imagens gravadas pelas câmeras de segurança. A vítima foi encaminhada ao IML para exame de corpo delito.

O casal responderá pelo crime de lesão corporal, com pena prevista de três meses a um ano, com possibilidade de aumentar dependendo da idade da vítima. Os pais devem responder, ainda, pela ameaça e por submeterem o filho a constrangimento, crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Conselheiros tutelares do Distrito Federal compareceram ao local do acontecido para apurar o caso, que também está sendo observado pelo condomínio. Uma reunião no prédio será feita na sexta-feira (14), às 9h30, para debater o ocorrido. A demanda administrativa dos moradores é de que os pais da criança – que não moram no prédio - não acessem a área, enquanto a situação não for resolvida, para que não haja retaliação.

Leia também: Menina de oito anos que teve queimaduras após avião atingir sua casa recebe alta

Por mais que o garoto estivesse brincando no condomínio, ele não mora em Brasília , mas sim com os pais na Bahia. A vítima de agressão estava passando uma semana de férias na casa de Jucinea para comemorar o aniversário do primo, de nove anos.