Tamanho do texto

Ação realizada em chácara na região metropolitana de São Paulo resultou na morte de criminoso acusado de ter ordenado mais de 100 homicídios

Soldado PM Kelves Freitas de Brito foi morto em junho, no RN; Polícia paulista matou suspeito pelo crime
Divulgação/Polícia Militar do RN
Soldado PM Kelves Freitas de Brito foi morto em junho, no RN; Polícia paulista matou suspeito pelo crime

Uma ação conjunta entre as polícias Civil e Militar de São Paulo resultou na morte do suspeito de chefiar organização criminosa que ordenou uma série de ataques a policiais do Rio Grande do Norte, no primeiro semestre deste ano. 

Leia também: Doria convida ex-comandante da PM para assumir Administração Penitenciária em SP

O suspeito Rafael Silvestre da Silva, conhecido como "Gilmar", foi morto durante a ação da Polícia na manhã desta sexta-feira (7) em uma chácara de Juquitiba, na região metropolitana de São Paulo. Não foram informados detalhes sobre as circunstâncias da morte.

O criminoso era acusado de ter ordenado mais de cem homicídios contra agentes policiais no Rio Grande do Norte . Uma das vítimas dos comandos de "Gilmar" foi o soldado PM Kelves Freitas de Brito, executado a tiros, no dia 2 de junho, dentro de um estabelecimento comercial em Parnamirim, cidade da região metropolitana de Natal. A PM potiguar destacou, em nota divulgada à época do crime, que o assassinato se tratou de um ato "covarde".

Leia também: Juíza bloqueia contas de Roraima para pagamento de salários atrasados da Polícia

O soldado Kelves havia ingressado na corporação no ano de 2010, tendo sido lotado no Quinto Batalhão de Polícia Militar, Companhia Independente de Policiamento Ambiental e, atualmente, pertencente à Força Tática do 3° Batalhão de Polícia Militar.

A morte do soldado Kelves representou o 14º homicídio de policiais somente no primeiro semestre do ano no Rio Grande do Norte. A suspeita é de que o criminoso morto nesta sexta-feira tenha tido participação em outros casos. É investigado, ainda, se Rafael Silvestre da Silva atuou coordenou também ataques a agentes da  Polícia de Minas Gerais.

Leia também: Caminhoneiros cogitam nova greve após decisão de Fux sobre tabela de frete

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.