Tamanho do texto

Agentes da PF apuram crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo sonegação fiscal de R$ 5 bilhões na Operação Rosa dos Ventos

Fraude na venda de combustíveis está sendo investigada por meio da Operação Rosa dos Ventos
Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
Fraude na venda de combustíveis está sendo investigada por meio da Operação Rosa dos Ventos

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (15) a segunda fase da Operação Rosa dos Ventos, para apurar crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo sonegação fiscal de R$ 5 bilhões na venda de combustíveis em distribuidoras da região de Campinas, no interior de São Paulo.

Leia também: Operação apreende 1,3 tonelada de cocaína no Porto de Santos e 2018 bate recorde

Até o momento quatro pessoas foram presas na capital paulista e Campinas por envolvimento na venda de combustíveis irregular, e outro suspeito é procurado. Além disso, agentes da PF cumprem seis mandados de busca e apreensão nas duas cidades.Todos os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Campinas.

Esta fase da investigação começou com a análise do material apreendido na primeira fase, quando policiais federais encontraram indícios de que os investigados teriam um esquema envolvendo corrupção de um agente público, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

O principal alvo da  Operação Rosa dos Ventos  é um auditor fiscal da Receita Federal que teria recebido presentes do grupo criminoso, como uma viagem ao exterior e materiais de construção para a reforma de sua própria casa. Em troca, ele passava informações sigilosas, prestava consultoria e ainda facilitava a liberação de bens importados pelos empresários.

Outros supostos repasses de propina a um ex-conselheiro do Carf, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais são citados na investigação. O ex-funcionário é alvo da operação Zelotes e por esse motivo pediu demissão do cargo.

Leia também: Operação contra jogo do bicho mira família completa e ex-policiais no Rio

Fraude na venda de combustíveis está sendo investigada há um ano

Investigados por fraude na venda de combustíveis pela Polícia Federal devem responder por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro
Reprodução/Twitter
Investigados por fraude na venda de combustíveis pela Polícia Federal devem responder por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro

A primeira fase da Operação Rosa dos Ventos foi deflagrada há um ano, depois da fiscalização da Receita Federal constatar sonegação fiscal em uma distribuidora de combustíveis de Paulínia, em São Paulo. Foram investigados, naquele inquérito policial, crimes contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro e falsificação de títulos públicos.

Levantamentos feitos na apuração apontaram um prejuízo de R$ 5 bilhões em impostos sonegados e multas que deixaram de ser pagas pelos investigados e suas empresas, conforme créditos tributários constituídos definitivamente em tributos federais e estaduais.

Leia também: Polícia Civil e MP realizam operação contra 81 traficantes de droga em Niterói

Os investigados por fraude na venda de combustíveis responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e crimes contra a ordem tributária, com penas de 2 a 12 anos de prisão e multa.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.