Tamanho do texto

O advogado de defesa do segundo-sargento apontou "sofrimento psíquico" por fatos recentes, como o suicídio de um colega de profissão uma semana antes, ainda solicitando tratamento psicológico imediato ao cliente; veja

Após roubar viatura, bombeiro do DF dirigiu quase 30km em direção ao Congresso, até ser interceptado por tiros
Polícia Militar/ Divulgação
Após roubar viatura, bombeiro do DF dirigiu quase 30km em direção ao Congresso, até ser interceptado por tiros

O segundo-sargento do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, Fabrício Marcos de Araújo, apontado por furtar uma viatura na madrugada do último domingo (3) , disse que não se recorda de ter realizado o crime – e negou ter “planejado um ataque ao prédio do Congresso Nacional”. A defesa do bombeiro apontou sofrimento psíquico e "falta de suporte". 

Segundo a defesa do bombeiro , Araújo trabalha na corporação há 23 anos e nunca houve nenhum fato que pudesse “desabonar sua conduta social ou funcional”. Além disso, o advogado destacou que ele não tem “nenhum posicionamento religioso ou político radical”, sendo pai e marido dedicado.

“Fabrício é apenas mais um membro integrante da segurança pública que, como tantos outros, internalizou o peso do exercício da profissão sem o devido suporte”, escreveu o advogado de defesa Rodrigo Veiga de Oliveira, que ainda pediu tratamento psicológico imediato.

Suicídio de colega

O comunicado enviado pela defesa de Araújo aponta que o sofrimento psíquico do bombeiro teria sido intensificado por causa do suicídio de um colega de profissão no fim de semana anterior ao furto do caminhão. Em sua última missão, o colega teria sido acionado para socorrer a mãe de um terceiro companheiro, que acabou morrendo.

Leia também: Mulher morre após sofrer acidente e ser atropelada duas vezes em cinco minutos

O advogado ainda informou que o cliente se encontra “perplexo com a situação e surpreso com o ocorrido”, além de estar “apreensivo com a multiplicação de boatos”, como o rumor de que sua motivação teria sido o suicídio de seu filho.

"Não é natural ao ser humano presenciar acidentes e mortes quase que diariamente. Não é natural ao ser humano internalizar todo o estresse decorrente da extenuante função na segurança pública", complementou a defesa.

Leia também: Ex-prefeito de Belém é preso acusado de desvio de dinheiro público

Relembre o caso

A Polícia Militar do Distrito Federal (DF) foi acionada na madrugada do último domingo para conter um caminhão do Corpo de Bombeiros que invadiu a Esplanada dos Ministérios em alta velocidade. A viatura foi roubada por volta das 1h30 pelo bombeiro, que teve o nome divulgado horas depois.  O caminhão estava no 8º Grupamento de Bombeiro Militar do DF, em Ceilândia Norte, a cerca de 30 quilômetros da Esplanada dos Ministérios.

 *Com informações da Agência Brasil