Tamanho do texto

Esposa do traficante Nem, preso em 2011, a "Xerifa" da comunidade vive clima de tensão com Rogério 157, atual chefe do crime na comunidade

Xerifa da Rocinha, Dona do Bairro, Viúva Negra...Danúbia Rangel, mulher do traficante Nem é conhecida no mundo do crime
Reprodução / internet
Xerifa da Rocinha, Dona do Bairro, Viúva Negra...Danúbia Rangel, mulher do traficante Nem é conhecida no mundo do crime

A favela da Rocinha vive um dos piores conflitos do Rio de Janeiro nos últimos anos. O racha na facção criminosa Amigos dos Amigos (A.D.A) vem causando uma intensa disputa entre dois grupos: o de Rogério Avelino da Silva, o "Rogério 157", atual chefe do crime no morro e o de Antônio Francisco Bonfim Lopes, o "Nem da Rocinha", antigo comandante do tráfico na comunidade, preso em 2011. Um dos nomes centrais do conflito é Danúbia Rangel esposa e herdeira de Nem.

A "Dona do Bairro", como também é conhecida desde a época de Nem, vem batendo de frente com Rogério 157 por não concordar com o jeito que o traficante – que chegou a ser guarda-costas de Danúbia Rangel quando Nem era o chefe do crime – vem comandando o morro. 

Leia também: Enxoval do filho de Nem da Rocinha com Danúbia custou mais de R$ 4.700

Segunda a inteligência da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Danúbia foi expulsa da Rocinha por Rogério 157. Foragida desde o ano passado, a "Xerifa da Rocinha", outro apelido da loira, foi condenada a 28 anos de prisão por tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção ativa. Ainda segundo a PM, Danúbia e Nem seriam os mandantes da invasão que ocorre na Rocinha desde a última semana.

Aos 33 anos de idade, ela já foi casada com outros dois traficantes antes de Nem, perdeu uma filha adolescente, foi presa, solta, inocentada e finalmente condenada por tráfico de drogas. Ostentou uma vida de luxo ao lado de Nem e, até hoje, tem sua rotina mostrada nas redes sociais, apesar de estar foragida. Conheça mais detalhes sobre a vida de Danúbia.

Antes da Rocinha

A história de Danúbia Rangel com o tráfico começa muito antes de Nem. Antes de ser a "Xerifa na Rocinha", ela ficou conhecida como "Viúva Negra" no Complexo da Maré. Primeiro, se casou com Luiz Fernando da Silva, o "Mandioca", chefe do tráfico da comunidade. Eles tiverem uma filha, Beatriz.

Danúbia Rangel e a filha Beatriz, fruto do relacionamento com o traficante Mandioca
Reprodução
Danúbia Rangel e a filha Beatriz, fruto do relacionamento com o traficante Mandioca

Em 2003, Mandioca foi morto em confronto com a polícia. Pouco tempo depois, Danúbia foi mulher de Marcélio de Souza Andrade, que tomou o lugar de seu ex-marido no comando do crime na Maré.

Em 2005, após uma tentativa frustrada de fuga da cadeia, Marcélio também foi morto por policiais. Aos 21 anos, Danúbia perdeu o segundo marido, o que rendeu a ela o apelido de "Viúva Negra".

Casamento com Nem e vida de luxo

Em meados de 2008, Danúbia conheceu Nem e iniciou um relacionamento com o traficante. Deixou a Maré e se mudou para a Rocinha. Nem já era o líder dos criminosos na comunidade desde 2005, quando Erismar Rodrigues Moreira, o "Bem-Te-Vi", foi morto pela polícia. Nem era compadre de Bem-Te-Vi, que também foi seu mentor.

Leia também: Mulher de Nem levava vida de luxo na Rocinha

Vista como "forasteira" pelos moradores e dona de uma personalidade forte, Danúbia nunca foi muita querida dentro do morro, mas era muito respeitada por conta do marido, que é tido pela comunidade com um líder que trouxe prosperidade para o morro. Inteligente e tendo a confiança completa do marido, Danúbia conquistou cada vez mais espaço dentro da Rocinha e também da A.D.A.

Casamento de Danúbia Rangel e Antônio Francisco Bonfim Lopes, o
Reprodução
Casamento de Danúbia Rangel e Antônio Francisco Bonfim Lopes, o "Nem da Rocinha"

Por ser já se casado com outra mulher, Nem oficializou sua relação com Danúbia em uma festa junina. Pouco tempo depois, o casal teve uma filha, Yasmim.

Um fato que chamou muito a atenção da mídia e dos investigadores foi a vida de luxo ostentada pelo casal. Passeios de helicóptero, carros do ano, móveis de luxo e roupas de grife faziam parte da rotina dos dois.

O relacionamento dos dois, no entanto, passou por uma série de problemas. Uma escuta policial flagrou Danúbia confessando a uma amiga que tinha sido agredida pelo marido mais de vez. O principal motivo dos desentendimentos era o ciúme que o traficante sentia da amada.

Apesar disso, desde a prisão de Nem, Danúbia faz juras de amor e fidelidade ao marido nas redes sociais, visitando-o com frequência e mantendo seu "legado" dentro da facção.

Prisão, soltura e condenação

A Xerifa da Rocinha foi detida pela primeira vez em 2011, acusada de associação ao tráfico de drogas. Ela foi encontrada disfarçada  dentro do salão de belezas de uma amiga e levada por agentes do BOPE (Batalhão de Operações Especiais). Após prestar depoimento, no entanto, ela foi solta por falta de provas. Poucos meses depois, Nem foi preso e levado para uma penitenciária em Campo Grande (MS). Após a prisão do amado, a Dona do Bairro passou por mais um drama, a morte da filha Beatriz, então com 14 anos, vítima de uma pneumonia.

Danúbia Rangel ficou presa entre 2014 e 2016 e agora está foragida
Divulgação
Danúbia Rangel ficou presa entre 2014 e 2016 e agora está foragida

Em 2014, Danúbia foi presa ao ser encontrada com dez aparelhos de telefone celular e três tablets com conexão à internet. Acusada de enviar recados de Nem para outros traficantes, ela ficou encarcerada até 2016, quando foi absolvida de uma das acusações e acabou sendo solta.

Leia também: Traficante Nem batia na namorada por causa de ciúmes, revela escuta da polícia

Após poucos dias em liberdade, Danúbia voltou a ser julgada e acabou sendo condenada a 28 anos de prisão por tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção ativa. Desde então, ela está foragida.

Entenda a crise na Rocinha

Os confrontos na Rocinha começaram no último domingo (17), com uma disputa entre bandidos pelo controle do tráfico de drogas na favela, localizada em São Conrado, zona sul carioca. Na ocasião, não houve atuação efetiva das forças policiais.

O quadro voltou a se agravar nesta sexta-feira (22) e o governador pediu então ao Ministério da Defesa que as Forças Armadas atuassem no entorno da comunidade. O primeiro contingente de militares chegou à Rocinha às 16h10, com o objetivo de fazer um cerco na favela, em apoio às operações das polícias Militar e Civil.

Em nota, o governo fluminense disse que “vem priorizando a política de segurança, apesar de todas as dificuldades que tem enfrentado, ciente de suas responsabilidades e da importância da preservação da vida”.

O governo do Rio de Janeiro esclareceu que, “para o cumprimento dos seus objetivos, o estado tem trabalhado de forma integrada com as forças federais, sob a coordenação do secretário de Segurança Roberto Sá, que tem sido incansável no cumprimento do dever”.

Musa nas redes sociais

A história controversa de Danúbia conquistou fãs por todo o Brasil, sobretudo nas comunidades no Rio de Janeiro. Nas redes sociais, uma série de perfis são dedicados à moça e a grande maioria dos comentários são elogios à sua beleza e ao seu estilo de vida.

Perfis dedicados a Danúbia Rangel tomam conta das redes sociais
Reprodução
Perfis dedicados a Danúbia Rangel tomam conta das redes sociais

Não se sabe se algum dos perfis é realmente mantido por ela, no entanto, várias fotos da loira são postadas nas redes quase que diariamente. Seja na praia, em baladas ou em passeios. As legendas vão de versos bíblicos e frases filosóficas até declarações de amor para o marido Nem. Em outros perfis, no entanto, legendas mais irônicas e ácidas tiram sarro da polícia e da situação de Danúbia Rangel como foragida da justiça.

Leia também: Ostentação e guerra: em meio a conflitos, bandidos da Rocinha 'se exibem' na web